A Web está Realmente Morta? Ou Tornou-se um Morto-Vivo?

As reações exageradas parecem ser obrigatórias em discussões na web. Entusiastas parecem estar convencidos de que cada ação em tecnologia online, cada ferramenta que surge, tendência momentânea são os indícios de um Admirável Mundo Novo.

Desta vez vamos dar uma olhada nos eventos mais recentes da Web em relação ao colapso geral comunicado pela revista Wired que as pessoas estão falando. Vamos reavaliar essas coisas da web que foram consideradas “mortas” nos últimos anos e lançadas permanentemente fora da vida dos mortais. Segurem os corações e preparem suas apostas.

A Web

O último obituário tecnológico vem como cortesia da Wired. É a própria Web. Toda a Web. O motivo? Ordem. Redes armazenadas em silos como o Facebook e ferramentas específicas de marcas como os aplicativos do iPhone estão ganhando cada vez mais espaço. Ao mesmo tempo, as ferramentas independentes de plataformas como os blogs diminuem. Então, vamos dar um adeus à fronteira da web aberta e nos prepararmos para um campo de trabalho absolutista em terrenos cercados pelos grandes players!

Privacidade

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, declarou a morte da privacidade no início deste ano. Coincidentemente, Mark acabou se tornando um agente funerário. A morte da privacidade era parte de uma série de estratégias inteligentes e perspicazes do Facebook. Infelizmente, os enfermeiros da privacidade se agruparam e conseguiram revivê-la.

Web 2.0

Esta já morreu algumas vezes. No ano passado o Tech Crunch declarou a morte da Web 2.0 (também conhecida como a web social, a web que inspirou o nome deste blog, a web ao vivo, etc), ou pelo menos o termo. Foi uma discussão que voltou junto com o assunto da Web 3.0 (ou a web semântica). É uma frase que não é muito utilizada por grande parte das pessoas da indústria, mas descreve um momento no desenvolvimento da web e provavelmente não irá “morrer” completamente. Quatro anos antes do post do Tech Crunch a ZDNet proclamou que a Web 2.0 estava mortinha da silva, tanto que em primeiro lugar nunca realmente havia existido. (Será que esse pessoal se sente como aqueles caras que andam com um sinal proclamando que “O Fim Está Próximo!”)

A Web Móvel

O Russell Beattie da Mowser (ex-funcionário do Yahoo) declarou que a web móvel já tinha dado o que tinha que dar. Assim como o Michael Mace declarou que fazer aplicativos nativos para o mobile era suicídio. Mas o crescimento da web móvel depois disso já foi descrito como “explosivo.” E os aplicativos móveis são indiscutivelmente a área de maior crescimento da Internet.

E você, qual a próxima morte é capaz de prever?

0 responses to “A Web está Realmente Morta? Ou Tornou-se um Morto-Vivo?

  1. A grande questão agora para Web é saber se os grandes players estão dispostos a colaborar o minimamente possível entre si de forma a não canibalizarem seus mercados e comprometer a qualidade de seus serviços.

    Outro ponto crítico que o artigo não aborda é a importância da ascensão de mercados web até então pouco explorados, como China e África por exemplo. Não é muito fácil imaginá-los se adaptando rapidamente ao modelo freemium e isso pode pode prolongar e até mesmo ressucitar o modelo free da open web.

  2. A grande questão agora para Web é saber se os grandes players estão dispostos a colaborar o minimamente possível entre si de forma a não canibalizarem seus mercados e comprometer a qualidade de seus serviços.

    Outro ponto crítico que o artigo não aborda é a importância da ascensão de mercados web até então pouco explorados, como China e África por exemplo. Não é muito fácil imaginá-los se adaptando rapidamente ao modelo freemium e isso pode pode prolongar e até mesmo ressucitar o modelo free da open web.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *