Aceleração de Hardware Chega Também ao Chrome

A Google confirmou recentemente que o Chrome em breve irá suportar aceleração de hardware GPU. Os desenvolvedores podem acelerar o carregamento de páginas complexas descarregando grande parte do processamento para as placas de vídeo, que afinal, foram feitas para essas tarefas. Já que os desenvolvedores de navegador continuam tentando aumentar a capacidade de resposta de seus aplicativos, a aceleração de hardware é naturalmente o próximo passo para se focar para ganho de desempenho. A Microsoft também está trabalhando com a aceleração de hardware para a próxima versão do seu navegador. A empresa planeja lançar a primeira build completa do Internet Explorer 9 no próximo mês. A Mozilla também oferece suporte para aceleração de hardware GPU na sua última versão beta do Firefox para Windows.

Um dos engenheiros responsáveis pelo projeto Chromium, Vangelis Kokkevis, lembra que atualmente o Chrome usa aceleração de hardware apenas para exibição de alguns conteúdos. No entanto, agora que a infra-estrutura básica está em vigor, a equipe do Chromium espera levar “ainda mais processamento da CPU para a GPU para conseguir uma velocidade impressionante.” A longo prazo, a Google provavelmente irá também usar esta mesma infra-estrutura para oferecer suporte para aceleração de gráficos 3D no browser.

Experimente!

Para fazer o teste do Chrome com a aceleração GPU você precisa executar uma versão de ponta do Chrome (superior às canary builds). Você pode encontrar uma build recente do Chromium – o projeto open source por trás do Chrome – aqui. Você pode instalar facilmente o Chromium paralelamente ao Chrome e as duas instalações geralmente não entram em conflito.

Ao instalar o Chromium, você poderá também instalar o Google Chrome Labs. Você pode saber mais informações sobre esse recurso aqui.

Depois de instalado, você precisa executar o aplicativo com a opção enable-accelerated-compositing marcada. Para fazer isso, você pode ou rodar o programa do terminal e configurar essa opção manualmente, ou – no Windows – conferir as propriedades do executável e adicionar a opção para a janela de propriedades.

Provavelmente você não sentirá tanta diferença por enquanto, a diferença maior é mais perceptível quando você abrir páginas mais complexas.

Mais Detalhes Técnicos

Se você estiver interessado em mais detalhes de como a aceleração de hardware da Google funciona no Chrome, dê uma olhada no documento de design que a Google acaba de publicar.

Dica do blog Conceivably Tech.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *