Top 5 Tendências Web 2009: Real-Time Web, a Web em Tempo Real

from FJTU (a veces on-line) http://www.flickr.com/photos/fjtu/2829021471/ O segundo post da Série Top 5 tendências Web de 2009 analisa o que é provavelmente o maior hype do ano: a web em tempo real, ou Real-Time Web. Ela se tornou a essência de muitos produtos na Internet como Twitter, FriendFeed, Facebook, Google, Delicious, WordPress, e muitos outros.

O que é a Web em Tempo Real?

A Real-Time Web se trata de uma nova forma de comunicação, criando um novo tipo de conteúdo, é imediata, é pública e tem um grafo social explícito associado a ela. Um dos líderes no início da real-time web foi o FriendFeed, um serviço de lifestreaming que se tornou popular entre os early adopters. O co-fundador do FriendFeed, Paul Buchheit (que também construiu a primeira versão do Gmail, durante seu tempo no Google) contou ao ReadWriteWeb há algum tempo que “as discussões abertas e em tempo real do FriendFeed se tornarão um novo meio de comunicação com a mesma expressão que o email, mensagens instantâneas e blogs.”

Agora tudo é em tempo real

Obviamente, o primeiro produto a ser citado deve ser o Twitter, o serviço de micro-blogging mais trendy do planeta que em março deste ano fez seu terceiro aniversário. No entanto, a web em tempo real é muito mais que o Twitter. Ela mudou os produtos e estratégias de praticamente todas as grandes empresas de Internet em 2009. O Google pode ter perdido o primeiro bonde, mas em maio de 2009 Larry Page disse abertamente que o Google precisava melhorar sua estratégia real-time. E já começou esse processo: por exemplo, o Google está por trás do PubSubHubbub, que entrega feeds RSS feeds bem mais rápido (quase em tempo real). PubSubHubbub já está  deixando o Google Reader mais rápido… Mas enquanto se espera que a busca do Google seja efetivamente em tempo real, pelo menos se pode incluir resultados do Twitter a ela com este plug-in. [ Nota: o Google Wave veio bem depois, mais como uma reação precipitada que uma estratégia real de produto ]

Em março de 2009,  o Facebook remodelou seu design tentando enfatizar o stream em tempo real nas páginas de perfil dos usuários. Apesar de não ter agradado, o Facebook continuou a trilhar esse caminho e anunciou em junho uma nova interface de busca que permitia procurar conteúdo vindo de pessoas, empresas e outras figuras públicas assim que elas o compartilhavam em suas contas. Isso nada mais é que um mecanismo interno de busca em tempo real.

Enquanto isso, em abril o FriendFeed apresentou uma  interface de usuário melhorada que focou bem mais em atualizações real-time se comparada às interfaces anteriores. A mudança mais forte foi a funcionalidade de filtros avançados, o que tornava muito mais fácil criar streams baseados em palavras-chave, grupos de discussão, grupos de amigos e muito mais. Os novos filtros do FriendFeed trouxeram algo poderoso para a Web em tempo real. Então, em agosto o Facebook reforçou sua estratégia real-time ao comprar o  FriendFeed. Isso imediatamente trouxe mais sofisticação em tempo real para seus produtos, mas ainda estamos para ver como o Facebook irá utilizá-lo de verdade.

E eis que no mesmo mês de agosto, o Delicious (comprado pelo Yahoo após se consolidar em bookmarking social) renasceu como um rastreador de conteúdo em tempo real. Após lançar uma nova homepage, o Delicious combinou o tagging de atividades recentes com links referenciando o Twitter.

E as notícias continuam, porque desde a última semana todos os blogs da plataforma WordPress.com – e qualquer um no WordPress.org que opte pela funcionalidade – podem criar atualizações instantâneas disponíveis para qualquer leitor RSS usando um novo serviço chamado RSSCloud.

Conclusão

2009 foi de várias formas o ano da Web em tempo real. Mas ainda estamos no início desse ciclo, porque todos nós – coletivamente – estamos ainda procurando por formas de usar todo esse conteúdo adicional em tempo real. Todos criamos muita informação em tempo real e muito disso apareceu em nossas buscas e filtros… Mas o que as novas aplicações e inteligência podem construir a partir desses dados? Essa pergunta provavelmente será respondida nos próximos anos.