O Ceo Series está de volta, desta vez destacando a primeira empreendedora. A Roberta Vaconcellos, com quem tive o privilégio de trabalhar na Samba Tech é a co-fundadora e CEO da Tysdo, um app mobile, disponível para iPhone e Android onde as pessoas compartilham seus desejos e interagem com planos de atividades.  Here we go!

Roberta, quando nos conhecemos, você era uma das melhores vendedoras do time da Samba. Como esse aprendizado ajuda você no dia a dia da Tysdo? 

Com certeza, a Samba foi uma grande escola em todos os sentidos, principalmente no que diz respeito a dinâmica de uma startup e o famoso e precioso ensinamento: fazer mais com menos. Mas, ter atuado na área Comercial por vários anos na minha vida, sem dúvida me ajudou a desenvolver algumas habilidades de comunicação, vendas, relacionamento interpessoal e networking, que são essenciais em qualquer negócio. Aplico esse aprendizado na Tysdo diariamente, o que tem nos ajudado a alavancar as nossas parcerias comerciais, conquistas nos programas que participamos, relacionamento com nossos stakeholders e consequentemente no aumento da base de usuários, divulgação na mídia e concretização de investimentos.

Você é uma empreendedora que tem tido cada vez mais reconhecimento, sendo finalista no prêmio Cláudia 2014. A comunidade startup hoje  ainda é um mercado majoritariamente masculino, apesar de termos cada vez mais mulheres empreendendo. Como você lida com isso? 

Fico muito lisonjeada pelo reconhecimento e por poder representar uma minoria de mulheres empreendedoras na área de tecnologia no Brasil. Apoio e incentivo a entrada de mais mulheres no nosso mercado e fico feliz em notar cada vez mais a presença feminina em startups, pois acredito que as características dos dois gêneros são complementares e benéficas para o sucesso do negócio. Na minha opinião, exemplos de empreendedoras tem que ser disseminados para que tantas outras mulheres entendam que o mercado não é um “bicho de sete cabeças” e tenham coragem e sintam-se motivadas a correr atrás do que acreditam. Mas, na prática, me sinto muito confortável em trabalhar com homens.

Quem são as empreendedoras referência para você no Brasil? 

Admiro mulheres de fibra e garra, às quais vêm fazendo acontecer no nosso país, como a Chieko Aoki (Blue Tree) , Viviane Senna (Instituto Ayrton Senna), Luiza Trajano (Magazine Luiza), por exemplo.

Lançar um app mobile no Brasil é bastante desafiador, quais foram as principais dificuldades que vocês enfrentaram? 

Na verdade, se fizermos um balanço geral do atual cenário para se lançar aplicativo no Brasil, os prós são maiores que os contras. A dinâmica e facilidade de lançamento nas lojas (AppStore e PlayStore) é a mesma em qualquer lugar do mundo, o que vai depender e aumentar os desafios será o tipo de aplicativo a ser lançado, o custo de desenvolvimento, o quão preparado o mercado está para recebê-lo e os seus meios de monetização. Tais pontos se comparados ao mercado americano, por exemplo, ainda são mais desafiadores no Brasil, principalmente no que diz respeito a cultura de early adopters e valorização de aplicativos nacionais em detrimento de importados. Acredito que um dos desafios do Tysdo e que na medida do possível, estamos alcançando êxito é o das pessoas usarem e propagarem um aplicativo social brasileiro.

Atualmente, houve um aumento nos recursos, programas e incentivos (concursos de startups, StartupBrasil, Seed, Sebraetech…) disponíveis no país para startups e empresas desenvolvedoras de aplicativos mobile. Mas, os desafios começam a aparecer no que diz respeito a dificuldade na contratação de mão de obra especializada e na necessidade de um ecossistema mais maduro e colaborativo para a minimização de erros, trocas de experiências mobile no país e outros, que ajudem a acelerar o crescimento.

Vocês começaram pelo iPhone e o hoje também já estão no Android. Sei que vocês estão disponíveis em português e inglês. Mas falando do mercado brazuca, quais os principais critérios para fazer esta escolha? Qual a distribuição de usuários entre as 2 plataformas? 

No nosso caso, lançamos inicialmente para iPhone devido à algumas conveniências iniciais, para testarmos o nosso primeiro piloto (o ideal é começar em um, para poupar tempo e investimento, e após as primeiras validações ou quando estrategicamente for melhor para a empresa, expandir) e devido ao público que queríamos atingir em um primeiro instante para gerarmos tendência. Mas, sempre estivemos atentos ao potencial de mercado do Android, especialmente no Brasil, que hoje representa 70% do mercado de smartphones do país. E em Fevereiro/14 lançamos a nossa versão Android, que pelo ritmo de crescimento comparando as duas plataformas, passará o iOS em números em breve. Atualmente, os nossos registros diários de usuários correspondem a 67% de usuários Android e 33% de usuários iOS.

Pode compartilhar alguns números e milestones da Tysdo? Como tem sido o crescimento da empresa? 

O Tysdo foi lançado em Junho de 2013 no palco da Demo Brasil (www.demobrasil.com.br), evento ao qual fomos finalistas na categoria Demonstrator. Após 15 dias de lançamento oficial na AppStore (Julho/13), obtivemos a marca de 7.000 downloads. Com quatro meses de aplicativo lançado e quatro parcerias comerciais firmadas, recebemos um investimento anjo e fomos uma das startups selecionadas pelo programa Mobile Futures Brasil da Mondelez para trabalhar com Halls. Desde então, já alcançamos diversos destaques no mercado e na App Store brasileira e mundial, além do lançamento da versão Android. Contamos com uma base engajada de mais de 40.000 usuários, com mais de 180.000 desejos compartilhados, com um aumento médio de taxa de engajamento de 32% UA mensal e nos últimos meses dobramos o tempo de permanência dos usuários no aplicativo. Estamos crescendo rapidamente através das diversas parcerias realizadas (mais de 20, dentre elas: Ambev, Café 3 Corações, Hospital Albert Einstein, Yoki e outros), visando fazer a ponte entre o desejo e o que a empresa pode oferecer para auxiliar na concretização. Sempre com objetivo de incentivar nossos usuários a fazerem mais todos os dias!

Quando você não está na Tysdo, o que você está fazendo? Qual o seu hobby? 

Tento equilibrar corpo, mente e alma, o que têm sido um grande desafio. Em primeiro lugar, faço questão de cultivar os momentos em família, com namorado e amigos (confesso, que nem sempre consigo conciliar tudo.. Rs). Tento me cuidar praticando atividades físicas periodicamente, dentre elas, yoga e dança. Me dedico ao crescimento da minha fé e do meu lado espiritual, desenvolvendo o meu relacionamento com Deus. Além disso, atualmente faço parte do Global Shapers Belo (uma iniciativa do Fórum Econômico Mundial, presente no mundo inteiro), no qual temos a missão e o compromisso de desenvolver projetos de impacto para a nossa cidade (os encontros são semanais, todas as quintas-feiras). Além destes, procuro me atualizar sobre o mercado e tendências, através de leituras periódicas.