Mais uma semana, mais um CEO. Essa semana a bola da vez é o Tiago Vicente, fundador do Organizze. Espero que curtam, a entrevista é massssssaaaaa!

A primeira vez que ouvi falar do Organizze foi em 2009, quando escrevi este post.  Vocês montaram uma startup antes do “hype” de startups no Brasil. Pode nos contar um pouco dessa história?

Apesar de eu estar no projeto desde o início, quem teve a ideia inicial de criar o Organizze foi o Luis Felipe, meu sócio. O Felipe tinha se frustrado com as ferramentas e planilhas de controle financeiro havia usado.

Em 2009 eu trabalhava numa empresa de software público e ele me convidou  para melhorar o design de um sistema financeiro que estava criando. Fiquei empolgado com a ideia de participar de um projeto que poderia ajudar as pessoas a organizar as finanças, pois era uma frustração que eu também já havia tido.

Eu sempre tive vontade de empreender, de criar algo que fizesse diferença na vida das pessoas. A possibilidade de ajudá-las a ter uma vida financeira mais saudável veio ao encontro disso e me encantei!

Participar desse projeto como sócio fez muito sentido pra mim, e acabou sendo um processo natural.

Lançamos a primeira versão do Organizze em 6 de maio de 2009.

Em 2010, ainda trabalhávamos part-time e a nossa vontade era de nos dedicarmos no projeto 100% do tempo, mas, como ainda não cobrávamos por ele, não tínhamos dinheiro algum pra nos mantermos. Foi aí que veio a ideia de monetizarmos o site. Enviamos uma pesquisa franca perguntando se as pessoas estavam dispostas a pagar por uma versão mais completa e a resposta foi a mais empolgante possível. As pessoas estariam dispostas a pagar, desde que a esta versão trouxesse um benefício perceptível em suas vidas.

Durante seis meses, ainda trabalhando part-time, criamos a versão completa do Organizze. Lembro de inúmeras vezes que dormíamos 2, 3 horas por dia. Foi uma época difícil mas determinante para que pudéssemos nos dedicar como gostaríamos. Nasceu aí o Organizze e uma vontade forte de fazer tudo isso dar certo.

De lá pra cá, conquistamos notoriedade, aparecemos em diversos canais de comunicação, aumentamos nossa equipe, nos mudamos para um escritório bacana, criamos o Organizze Empresarial, lançamos aplicativos para Android e iPhone, fomos procurados pela Apple para fazermos parte de uma seleta lista de aplicativos recomendados por eles no Brasil.

Hoje, temos orgulho de já ter feito diferença na vida de quase meio milhão de pessoas. Tem sido uma época de erros e acertos, mas estamos crescendo, aprendendo e curtindo muito cada minuto dessa caminhada.

Quando vocês começaram, vocês focaram principalmente no consumidor final, e hoje vocês também tem produtos para empresas, pode nos contar um pouco das diferenças em lidar com este 2 públicos? Qual o motivo da diversificação?

Esse processo foi natural. Quando o Organizze passou a ser conhecido, recebíamos diariamente diversos e-mails de pessoas que haviam se identificado com o sistema, com a facilidade de uso, e que queriam poder usá-lo também nas suas empresas. Como o site era voltado para finanças pessoais, vimos ali a oportunidade de criar uma versão empresarial do Organizze e assim foi feito. Tentamos quebrar a barreira da formalidade sempre que possível.

Nossa versão empresarial é voltada para microempresas. A maioria dos nossos clientes são empresas de até 10 pessoas, que em geral têm uma postura mais informal. Isso na prática deixa o cliente empresarial com um perfil mais parecido com o cliente pessoal. Além disso, nossa filosofia de desenvolvimento de software é muito focada no usuário final do produto, ou seja, são pessoas que utilizam nosso produto, estejam elas cuidando das finanças da empresa ou da sua casa.

O que sentimos de diferença no dia-a-dia é que as empresas usam o Organizze de forma mais intensa e constante. Em geral, o compromisso das empresas com as finanças é maior.

No que diz respeito ao marketing e à comunicação, temos algumas adaptações na linguagem e nas estratégias de captação de clientes.

Recentemente o App do Organizze teve grande destaque na App Store. Como é ser um app recomendado pela Apple? Qual o impacto disso no negócio?

Certa manhã recebi a ligação de um dos executivos do iTunes no Brasil, dizendo que ele e sua equipe amaram o aplicativo e gostariam de destacá-lo na AppStore. Dá pra imaginar qual foi a nossa reação. 🙂

Hoje o Organizze é o único aplicativo de controle financeiro recomendado pela Apple no Brasil e já foi baixado por mais de 150 mil pessoas!

O impacto desse número no negócio foi perceptível, já que, além de trazer pessoas que não conheciam a empresa, trouxe credibilidade e reconhecimento.

Vocês não captaram investimentos e seguem no bootstrap correto? Por que optaram por este caminho?

Acredito que funding pode ser um caminho para startups que ainda não possuem um modelo para geração de receita no curto prazo. O fato de conseguirmos capitalizar no curto prazo, aliado às possibilidades de crescimento que sempre enxergamos e conseguimos executar, nos fez criar uma visão de independência, que não precisaríamos de capital externo.

O que você faz quando não está no Organizze? Qual o seu Hobby?

 

Eu amo tocar bateria e faço isso sempre que possível. Toda segunda-feira eu também jogo bola, e corro pelo menos duas vezes por semana. No intervalo disso, adoro ler livros sobre Marketing e ver MadMan e The Big Bang Theory.