Editora da Série de Livros "For Dummies" Processa 27 Usuários do BitTorrent

Depois de serem processados pela indústria cinematográfica, os usuários do serviço BitTorrent se tornam alvo de uma das maiores editoras de livros. A John Wiley and Sons, editora dos populares livros de tutoriais para iniciantes “For Dummies,” está processando 27 usuários do serviço de compartilhamento de arquivos P2P no Tribunal de Justiça de Nova York por baixarem arquivos em PDF dos livros, violando os direitos autorais da editora.

De acordo com o TorrentFreak, desde o ano de 2010, mais de 200.000 pessoas foram processadas no EUA pelo compartilhamento ilegal de conteúdo por torrent. A John Wiley and Sons é a primeira editora que entra com uma ação contra este tipo de compartilhamento.

Os 27 usuários foram processados por baixar e compartilhar cópias da série “For Dummies” utilizando o BitTorrent. Os atos “criminosos” foram executados nos dias 18 e 19 de Outubro deste ano. A editora afirma que a pirataria no BitTorrent prejudica principalmente os autores, colocando em risco seus empregos. Além disso, a empresa alega que perde muito dinheiro nessa brincadeira.

“Os réus estão contribuindo para um problema que ameaça a rentabilidade da Wiley. Embora a Wiley não possa determinar neste momento a quantidade precisa de receita que perdeu como resultado do compartilhamento peer-to-peer de arquivos de suas obras protegidas por direitos autorais através do software BitTorrent, o montante das receitas que se perde é enorme.” Escreveu o advogado da editora no processo.

“Por exemplo, os usuários do BitTorrent de um único site, o demonoid.me, baixaram uma das obras que está presente neste processo, o ‘Photoshop CS 5 All-In-One FOR DUMMIES,’ mais de 74.000 vezes desde 6 de Junho de 2010,” o advogado completa. O processo também apresenta outros títulos, como o “AutoCAD 2011 for Dummies,” “Day Trading for Dummies”, “Calculus Essential for Dummies” e o “Word Press For Dummies”.

A editora ainda alegou que as “falsificações” também danificam a imagem da empresa. Os réus estão sendo processados por violação de direitos autorais e marca registrada, além de falsificação de marcas.

A pirataria de e-books cresce juntamente com as vendas dos tablets. Mesmo com as lojas oficiais de livros digitais como as da Amazon e Apple, muitas cópias são baixadas ilegalmente. Os serviços de compartilhamento por torrent certamente provaram ser a maneira mais rápida e fácil para baixar essas cópias.

Será que outras editoras vão seguir a Wiley? Você acha que essa tendência de processar usuários de redes P2P chega ao Brasil?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *