Nota do editor: Este post faz parte de uma parceria do WebHolic com o site Exame. O conteúdo exibido aqui não é de nossa autoria.

Descolada, legal, útil. Sua startup se encaixa nestes adjetivos? Um novo livro publicado nos Estados Unidos lista mais de 70 startups consideradas legais, ou ‘cool’. Doreen Bloch, a autora de The Coolest Startups in America passou um bom tempo pesquisando e entrevistando empresas para chegar à lista e, mais do que isso, aos fatores essenciais para uma startup chamar a atenção do público. “Eu acompanho de perto o mercado de startups e mantenho listas das empresas que eu considero interessantes e que rendem comentários. Quando comecei a escrever o livro, as ‘startups legais’ eram aquelas que eu gostaria de compartilhar”, conta.

Doreen foi criada no Vale do Silício e conta que um estágio no Yahoo ajudou a despertar seu interesse por essa área. “Foi lá que eu aprendi e vi na prática como a tecnologia pode transformar vidas e a sociedade”, diz. O livro surgiu na tentativa de aproximar o universo das startups de um público mais amplo. “O livro é ideal para profissionais ocupados – executivos, gerentes, consultores e analistas – que querem e precisam permanecer em dia com as últimas tendências”, explica

Em entrevista exclusiva a EXAME.com, Doreen fala sobre o que faz uma startup ser ‘cool’, tendências, exemplos, suas startups brasileiras favoritas e dicas para os empreendedores do Brasil.

Exame – Você acredita que o interesse em startups cresceu nos últimos anos?
Doreen Bloch – Sim, muito. Os empreendedores são como superstars agora! A profissão foi popularizada pela cultura pop, como no filme de sucesso A Rede Social – sobre os anos da fundação do Facebook -, bem como pelas tecnologias mais democráticas, como a Internet, que tornou mais fácil e barato do que nunca criar negócios.

Exame – Seu livro fala sobre as startups mais legais. O que faz uma empresa ser ‘cool’?
Bloch – Sete fatores foram identificados no livro como determinantes de uma startup legal: elas resolvem problemas reais, de uma forma única, alcançam várias pessoas, têm ambição, executam de forma incansável, têm foco no cliente e uma marca cativante.

Exame – Uma startup legal é também uma empresa de sucesso?
Bloch – Uma startup legal é também uma empresa de sucesso, mas, nem todas as empresas bem-sucedidas precisam ser “cool”. Há empresas excepcionais que são financeiramente sustentáveis e faturam com produtos que podem ser considerados um pouco monótonos por consumidores em geral, como peças de nicho de hardware ou alguns serviços para outras empresas.

Por outro lado, existem algumas startups que causam muita comoção na mídia, mas que têm pouco fundamento para ser um negócio viável – você não vai encontrá-las no meu livro. Além disso, é importante notar que ser uma “startup cool” não é necessariamente sinônimo de sucesso financeiro. Na verdade, muitas destas startups “cool” seriam esquecidas se analisadas sob uma abordagem puramente baseada em métricas. Pense no Facebook em 2008. Apesar de modesta receita da empresa, ninguém teria discutido o seu status de “startup cool”.

Exame – Quais exemplos de startups você sugere para os leitores?

Bloch – O livro é único porque organiza as empresas em setores, mostrando quão diversas as startups são. Alguns exemplos são o Square [que transforma celulares em máquinas de cartão de crédito], na área de startups que ajudam a ganhar dinheiro, o Better Place [empresa infraestrutura para veículos elétricos], na categoria focada em carros, e o ZocDoc [ajuda a agendar consultas médicas], na área de saúde e medicina. Há mais de 72 startups apresentadas no livro, para que os leitores aprendam sobre as empresas-chave de todo os Estados Unidos e em muitos setores da economia.

Exame – Conhece o mercado de startups brasileiro?
Bloch – Existem muitas boas startups vindas do Brasil. Duas que têm recebido muita atenção nos Estados Unidas: Vostu e LikeStore. Mas existem outras que eu gosto e sigo. ConsultaClick me lembra a ZocDoc, uma das empresas do livro. Eu acho que o que eles estão fazendo é muito bom para o mercado brasileiro. A YouLaw me interessa porque empresas que democratizam o acesso a serviços legais vão dar muito certo nos próximos anos, segundo a minha pesquisa. Estou fascinada em como sites de perguntas e respostas, como o Quora, vão monetizar seus serviços. Acho que o LedFace tem uma abordagem interessante neste sentido. Uma das principais companhias do Brasil para mim é a Everwrite, que veio para os Estados Unidos, mas começou no Brasil.

Exame – É mais fácil empreender nos Estados Unidos?
Bloch – Eu ouvi muitas vezes de empreendedores internacionais que os Estados Unidos – e, especificamente, o Vale do Silício – é onde eles querem construir empresas por causa de leis de incorporação e dissolução mais favoráveis, mais capital e também mais recursos intangíveis, como mentorias. Existem desafios para quem opera fora do Vale do Silício, mas vale lembrar que há benefícios fantásticos também.

Exame – Qual sua dica para os empreendedores do Brasil?
Bloch – O Brasil é um mercado interessante porque é uma das economias que mais cresce no mundo. Existem mais e mais aceleradoras sendo criadas para ajudar empreendedores locais. Minha dica para os empreendedores brasileiros é não se sentir limitado por barreiras geográficas. Participe da comunidade de startups global online e busque empreendedores e líderes em qualquer lugar do mundo que possam ajudar o seu negócio.

Exame – Quais são as principais tendências em startups no momento?
Bloch –
 Algumas tendências significativas entre startups incluem empresas ligadas ao movimento de ‘Quantified Self’ [gadgets e apps que ajudam as pessoas a medirem medir tudo ao redor, de horas de sono a passos na corrida diária], tecnologias móveis, e tudo que traga coisas tradicionalmente offline (como consultas médicas ou aulas) para o online.