No começo de Setembro apostávamos no início das vendas do iPad brasileiro com preço reduzido antes do natal deste ano, mas no final do mesmo mês as negociações entre o governo brasileiro e a Foxconn começaram a enfraquecer, ameaçando as vendas do tablet tupiniquim. A fábrica chinesa começou a fazer exigências que o governo julgou serem exageradas, mas parece que isso não foi o bastante para acabar com o acordo.

Segundo o Reuters, o ministro brasileiro Mercadante e o presidente da Foxconn, Terry Gou, anunciaram para a mídia que a fábrica de Jundiaí cumprirá com o prazo de liberar os tablets da Apple em Dezembro.

“Eles estão mantendo o prazo que anunciaram, que era Dezembro. O iPhone está pronto para produção em grande-escala e eles estão trabalhando com este prazo para o iPad,” disse Mercadante após reunião com Dilma e Terry.

Mercadante ainda explicou a escolha da localização para a fábrica. Seis estados demonstraram interesse, mas a logística falou mais alto, principalmente pela proximidade com aeroportos.

Além dos investidores locais, o banco estatal BNDES também está envolvido no negócio. Este anúncio pode ter o propósito de acalmar os ânimos dos investidores, que se assustaram com os desentendimentos do mês passado. A própria Foxconn pretende investir até US$ 12 bilhões no projeto durante os próximos anos, segundo palavras do Terry Gou: “Iremos investir US$ 12 bilhões durante (alguns) anos, talvez quatro anos, talvez seis anos.”

A redução de impostos oferecida pelo governo brasileiro para componentes de tablets atraiu empresas como Samsung, Motorola e Positivo.

De acordo com as declarações, as negociações estão praticamente seladas. Vamos torcer para que nenhuma outra má notícia apareça durante as próximas semanas. Isso vai depender do surgimento das exigências repentinas, mas do jeito que está, o acordo parece beneficiar ambas as partes.

Quem sabe você possa ganhar um iPad brasileiro de natal? Mas se a fabrica não conseguir cumprir com o prazo, pode ser um iPhone brasileiro.