Nova Plataforma de Apps do LinkedIn: Boas e Más Notícias

imgLinkedInDois anos e um mês depois de anunciar que iria lançar uma plataforma de desenvolvimento de aspecto mais profissional do que o famoso Facebook, LinkedIn finalmente abriu uma série de interfaces de programações de aplicativos para outras empresas construírem a partir delas. Não há dúvidas que se trata de uma boa notícia, porém, nem tudo são flores.

O LinkedIn possui uma base de dados sobre seus usuários enorme e extremamente útil, justamente pelas informações profissionais que os usuários cedem, o que se tornam um meio útil de colocar o usuário em contexto na web. Essas informações agora estão disponíveis para serem incorporadas em ecossistemas de desenvolvedores. TweetDeck, Posterous, Ribbit e diversos outros aplicativos já possuem acesso.

As Boas Notícias

  1. É fácil começar. Após dois anos de espera, emails não respondidos e desilusão, os desenvolvedores agora têm acesso à chave API em minutos e podem começar a construir na plataforma do LinkedIn.
  2. O API permite busca. Você pode encontrar as contas dos usuários do LinkedIn com pessoas que você está conectado por outras redes sociais. Infelizmente, ninguém está fazendo isso ainda, mas certamente é um ponto forte. Vejo uma pessoa no Twitter, Facebook ou outra rede social e tenho interesse em saber o que ela faz profissionalmente. O aplicativo recolhe e exibe essas informações do LinkedIn.KNXto610
  3. O aplicativo utiliza OAuth. Isto significa que terceiros podem oferecer autenticação padronizada, rápida e segura na sua conta do LinkedIn.
  4. As atualizações das atividades são agora analisadas pelo tipo. O aplicativo permite aos desenvolvedores de obter apenas um tipo das várias atualizações que uma pessoa tem pelo LinkedIn. Agora você pode utilizar um aplicativo que lhe mostra quando seus contatos mudam de emprego e ignora todas as mensagens de status e conexões de amizade. Esse tipo de controle tem um grande potencial e é uma reminiscência da visão por trás do protocolo de atividade de dados dos usuários proposto pela Activity Streams.

E Agora Vamos As Más Notícias

  1. Os primeiros casos de uso fazem parecer que o LinkedIn está tentando ser o Twitter. TweetDeck e Posterous são os mais destacados dos early adopters da plataforma. O TweetDeck vai lhe dar uma coluna no LinkedIn (os contatos do LinkedIn não podem ser integrados em outras colunas) e o Posterous vai permitir que você publique links para atualizações na plataforma para os contatos do LinkedIn. Já o Jobdash se parece com o TweetDeck somente em relação ao LinkedIn e na procura de emprego, mas ele ainda não oferece alguns recursos como a exibição limitada de notificações por tipo, somente exibe todas as atualizações.JobDASH610
  2. Os Termos e Condições ainda estão incertos. Os termos do aplicativo dizem que não se pode criar aplicativos que iriam competir com o LinkedIn. Ou seja, não se pode criar uma nova experiência sobre o LinkedIn, como um aplicativo de iPhone.
    Segundo Oren Michels, CEO da Mashery, empresa que fornece serviços de gerenciamento de aplicativos, “isto quer dizer que eles não estão incentivando os desenvolvedores a olharem para os gráficos sociais e obterem conhecimento profundo profissional dos usuários e criar novas interfaces de interação com o LinkedIn porque estão explicitamente preocupados com competição.”
    Vários desenvolvedores estão preocupados com as limitações comerciais do aplicativo. A equipe do LinkedIn esclareceu que estes termos são simplesmente para impedir que as pessoas cobrem por um serviço gratuito que o LinkedIn fornece e para não criarem uma rede de anúncios em cima dos dados do LinkedIn por problemas com privacidade.
  3. O LinkedIn não está colaborando com os outros, está expondo o que chama de Activity Stream, mas não é nada parecido com o formato padronizado que o Facebook, MySpace, Netflix e outros estão publicando agora. LinkedIn publica alguns micro-formatos mas tem sido completamente ausente do amplo debate da comunidade dos formatos de Activity Stream.

Alguns acham que após esta espera de dois anos e meio, o que surgiu foi decepcionante. Mas estamos ansiosos para ver como a plataforma irá evoluir e quais os tipos de aplicativos serão construídos nela. A Internet tem esperado pela plataforma do LinkedIn por um bom tempo, e agora veremos o que será feito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *