Autor Convidado: Renato Mangini é desenvolvedor Java, Android e OpenSocial, fundador da Geolabs, idealizador e criador do WapaWapa e co-criador do Anuncie Lá. É também um evangelizador de aplicativos sociais e coordenador da edição BH do Grupo de Usuários de Tecnologias do Google (GTUG-BH). Siga o @renatomangini e o @gtugbh no Twitter.

No último dia 29 o Google realizou o Google Developer Day Brasil 2010 em São Paulo. Os temas principais foram AndroidChrome/HTML5cloud computingAPIs.

O credenciamento começou às 8hs, e os cem primeiros ganharam um brinde. Meu vôo de BH atrasou e não fui um dos felizardos, mas para quem é apaixonado pelo Android como eu, esses bonequinhos podem ser comprados diretamente no site da Dyzplastic (no momento estão em falta, mas devem chegar em breve).

Na parte da manhã houve o tradicional keynote, feito pelo Mario Queiroz e outros palestrantes chamados para demonstrações pontuais. Queiroz, brasileiro, vice-presidente do Google, falou sobre diversos tópicos, com especial atenção ao que impacta o mercado brasileiro. Alguns dos principais pontos anunciados ou demonstrados:

Orkut e OpenSocial

  • O Orkut agora tem uma plataforma de monetização e micropagamentos padronizada para os aplicativos. Três meses atrás o Google comprou a empresa Jambool e a integração com a plataforma do Orkut foi anunciada. O Jambool oferece APIs para micropagamentos, moedas virtuais e assinaturas recorrentes. A interface já está traduzida em português, aceita Reais, boleto bancário dos bancos locais e cartões de crédito. A idéia de uma plataforma de micropagamento integrada aos aplicativos sociais é bem tentadora, e agora os players locais (PagSeguro, MOIP e Pagamento Digital) vão ter que correr atrás.

Android

  • Alguns dias antes do GDDBR o Google lançou a versão em português da busca por voz e do Google Maps Navigation para Android. Ambas foram demonstradas com sucesso pelo Marcelo Quintella. O Marcelo correu um risco enorme ao perguntar ao celular Android “quantas mil pessoas havia no show do Bon Jovi”. Felizmente deu certo, e o sistema de reconhecimento de voz traduziu corretamente para a query do Google (nota: eu já sou um feliz usuário do Navigation e do Voice Search desde o dia do lançamento).
  • Durante o intervalo, o Tim Bray estava com o recem-lançado Galaxy Tab e fez uma breve demonstração para os interessados:

GWT, AppEngine, Chrome e HTML5

  • O Chris Ramsdale demonstrou a integração do GWT, Spring Roo e Google AppEngine, e em pouco menos de 5 minutos ele tinha um aplicativo web padrão pronto e executando no Google AppEngine, com as funções básicas de manipulação de dados (CRUD). O demo dele pode ser refeito seguindo este tutorial.
  • Brasil é o segundo país em número de usuários do Google Chrome.
  • Eric Tholome fez uma demonstração impressionante do Google Chrome e HTML5: um vídeo do Chrome era quebrado em dezenas de quadradinhos, que, usando os sensores do acelerômetro, movimentavam pela tela de acordo com o movimento que se fazia no notebook… ao mesmo tempo em que cada quadradinho continuava passando o seu “pedaço” do vídeo. Infelizmente essa demo ainda não está disponível online, mas um que demonstra o uso do acelerômetro pode ser visto aqui.

Após o keynote, começaram as apresentações temáticas, três simultâneas em cada horário. Tentei pegar as principais de cada tema, mas tive diversos conflitos internos. No final, escolhi ver as seguintes:

Para não deixar o post muito (mais) longo, não vou detalhar cada uma das apresentações. Em breve todas terão os vídeos disponíveis online e serão divulgadas nos twitters @gtugbh@sp_gtug@googledevbr.

Pontos Positivos

  • Keynote excelente, alguns anúncios bem relevantes para os desenvolvedores locais
  • Palestras muito boas
  • Brindes e lanches ótimos para um evento gratuito (dignos de menção especial foram o pão-de-mel com o logotipo do Chrome e o coquetel de encerramento)
  • Público selecionado, muitos papos técnicos de alto nível
  • Disponibilidade total dos palestrantes e engenheiros do Google para trocar idéias e tirar dúvidas

Pontos a melhorar nas próximas edições:

  • Espaço muito pequeno entre as cadeiras no keynote e nas palestras mais concorridas
  • Rede wi-fi muito sobrecarregada, quase impossível de se usar, e rede 3G não pegava bem dentro das salas

Resumindo: se você é desenvolvedor, não deixe de participar do Google Developer Day 2011. Tem muita gente no Twitter pedindo para que o evento dure mais de um dia, pois a única frustração no final é saber que você perdeu dois terços das palestras e deixou de conhecer um monte de gente legal por falta de tempo.

E você, também estava lá? Coloque nos comentários suas impressões. Recentemente o Google tem demonstrado um apoio muito bacana aos desenvolvedores no Brasil e tenho certeza que o Bruno Oliveira, Google Developer Relations, lerá os comentários aqui e anotará tudo para fazer um evento ainda melhor no ano que vem.

Créditos das fotos e vídeo: Rodrigo BastosBruno Souza e Fábio Ferreira.