RWW Entrevista: Matt Fates Sócio da Ascent Venture Partners

Já se perguntou o que se passa dentro do cérebro de um Investidor de Risco? Quais os tipos de empresas que eles procuram? Quais as características em um empreendedor que os impressionam mais? Em que caminho eles acham que a indústria está se direcionando neste momento? Certamente, estas são coisas que qualquer startup em desenvolvimento ou empreendedor de primeira viagem têm interesse em saber de um VC – principalmente de um com vários anos de experiência em um setor em particular. Tivemos a oportunidade de conhecer um pouco mais do “cérebro” de Matt Fates, sócio da Ascent Venture Partners de Boston, uma empresa focada em investimentos em fase inicial (early stage). Veja o que ele tem a dizer:

Quais as qualidades você busca em um empreendedor?

“Estamos sempre procurando por algumas coisas, e elas realmente nunca mudam.” Matt nos disse. “Procuramos pessoas fortes com experiência e qualidades de liderança, e que possuam ou um conhecimento tecnológico ou algo em especial que lhes dá liderança.”

Ouvimos muito sobre como um VC investe mais em empreendedores do que nas próprias idéias de negócios, então não nos surpreende que Matt fale diretamente da qualidade das pessoas quando se considera investimentos em potencial. Uma equipe com experiência e liderança vai muito mais longe com uma ideia razoável de negócio do que uma equipe com uma ótima ideia, mas sem nenhuma destas qualidades.

E quanto as próprias empresas?

Não tente pescar investimentos cegamente – em vez disso, procure por VCs que são mais propensos a se interessarem pela sua ideia para ajudá-lo a ter sucesso. A Ascent, diz Matt, se concentra em soluções em TI de empresas B2B – então não a procure se você quiser construir uma rede social, por exemplo.

Nós gostamos de ver as empresas que lutam e passam por dificuldades para construir seus produtos e vendê-los, provando que eles são bons e resolvem seus problemas, ele diz. Ao fazer isso eles estão eliminando o risco técnico e mostrando mais sua execução de negócios. Quando vemos que os clientes da empresa a validam, podemos então pensar em quantas outras pessoas que têm este problema e como podemos ampliar rapidamente a empresa.

Mas e os novatos sem experiência com startups? Como eles podem ter uma chance de sentar em uma mesa com você?

“Não existe nenhuma fórmula mágica,” diz Matt. “Conhecer a indústria é importante, assim como outros tipos de experiência, mas dirigir uma empresa de sucesso não é obrigatório. Os CEOs de primeira viagem às vezes se dão bem, e nós mesmos já apoiamos alguns. Se trata de ter um conhecimento profundo sobre a indústria. Procuramos por qualidades reais de liderança, pessoas que possam administrar uma empresa e convencer as pessoas a se juntarem à sua equipe, e convencer aos consumidores a comprarem seus produtos.”

Matt enfatiza que dois co-fundadores técnicos são muito piores na abordagem de um VC do que uma pequena equipe com alguns empreendedores com mentalidade para negócios. Segundo ele as equipes menores que a empresa investe tem 5 pessoas. Basicamente, as equipes precisam ter algumas pessoas com conhecimento técnico (desenvolvedores, engenheiros), alguns para as vendas, para o marketing e o pessoal de desenvolvimento de negócios. Esta organização dicotômica é a melhor maneira “para progredir na comunidade de risco,” diz Matt.

Quais são as tendências você enxerga nas empresas em que estão investindo? Alguma tecnologia móvel, de localização ou emergente?

“A mobilidade é um ótimo setor e temos alguns investimentos neste espaço, mas em um nível superior temos duas grandes tendências,” diz Matt. “A primeira é a explosão de dados. Há uma enorme quantidade de informações que estão sendo coletadas e digitalizadas hoje em dia e sua maior parte não é estruturada […] A segunda é o poder da web de transformar as indústrias […] Hoje em dia as pessoas usam a web para fazer coisas.”

A Ascent tem em seu portfólio empresas como a ClickFox e a HubCast, que são exemplos destas duas tendências. A ClickFox fornece às empresas análise da experiência do consumidor não só da web, mas também de sistemas automatizados de telefones. Do lado da revolução industrial, a HubCast tem usado a força da web para perturbar a indústria de impressão comercial.

IPOs e Investimentos em Fase Inicial…

Durante a discussão Matt fez uma série de comentários interessantes. Discutimos o potencial da consolidação da indústria de capital de risco – algo que ele concorda que acontecerá em certo ponto. Sobre IPOs, ele fez uma observação que as ofertas públicas oscilam muito, então é provável que não voltem para ficar, mas muito se espera deste ano.

“Abrir o capital é uma fase na sua história e, depois disso, você tem que continuar indo bem,” diz Matt, contrastando a finalidade de fusões e aquisições – um fator que pode estar influenciando a queda das IPOs nos últimos anos. “M&A é consequência e as pessoas recebem liquidez.”

Quanto à razão da escolha da Ascent de focar em investimentos em fase inicial, Matt atribui isso ao sucesso do modelo de VC em menores escalas.

“Com o modelo de capital de risco é mais fácil multiplicar uma quantidade modesta de capital do que com um investimento maior,” diz Matt, falando da velocidade em que podem crescer as empresas de tecnologia na fase inicial. “Investir uma pequena quantia com o tempo permite que a empresa faça progressos razoáveis – elas precisam ir bem, mas não precisam bater todos os recordes de uma vez.”

“Ter 30 investimentos pequenos leva tanto tempo quanto alguns poucos de grande porte,” ele acrescenta. “Quando você está dentro, está dentro.”

0 responses to “RWW Entrevista: Matt Fates Sócio da Ascent Venture Partners

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *