O que Vem Depois da Web 2.0

rwwbr1

Nós aparentemente estamos chegando a um desses grandes momentos em que uma era da Internet é substituída por outra.

Claro que a última vez que isso ocorreu foi quando o termo Web 2.0 foi cunhado pela O’Reilly Media em 2004. Por sorte o ReadWriteWeb nasceu pouco antes disso (início de 2003), logo estamos documentando a Web 2.0 desde então. Nos últimos anos focamos em outras tendências, talvez até mais significativas – Web Semântica, tecnologias de recomendação, sites se tornando serviços, Web Móvel e mais. Documentamos essas meta tendências em um grande número de longos posts, mas agora queremos levantar mais algumas questões.

O retorno bem vindo da inovação

Apesar de que continuaremos a ver as histórias de sucesso do crescimento, talvez até prosperidade, da web 2.0 – redes sociais, mashups, conteúdo gerado por usuário, etc – agora é o momento para a inovação. Não estamos dizendo nada de revolucionário nisso, porque é um velho clichê que as inovações tecnológicas prosperam após períodos de incansáveis combinações. Nat Torkington do O’Reilly Radar afirmou o seguinte sobre o contexto da web 2.0:

“Durante tempos de crescimento explosivo as empresas direcionam o desenvolvimento e ocupam grandes talentos com melhorias evolucionárias sobre o estado da arte. Empresas são grandes buscadoras de novidades, mas não são grandes criadoras de novidades. Uma recessão significa que os profissionais de tecnologia deixam de ser pagos grandes quantidades para duplicar o trabalho de outros.

Então podemos esperar o retorno bem vindo da inovação na Web em um futuro próximo, da mesma maneira que o Flickr e a 37Signals inovaram nos primeiros dias da web 2.0. É claro que sem uma bolha, os empreendedores web terão que fazer ajustes de orçamento. Mas muitas pessoas já perceberam que uma mudança de foco na base de seu negócio é a chave, o que discutiremos abaixo. Mas talvez tão importante quanto isso, como Nat apontou, é a oportunidade de se tirar mais proveito de tecnologias open source e da estrutura cada vez mais barata de cloud computing.

Sramana Mitra escreveu um grande artigo na Forbes mostrando algumas oportunidades para inovação. Em uma “Carta Aberta aos Líderes do Vale do Silício”, Sramana primeiro nos mostrou o cenário de inovação que levou à web 2.0 e seguiu com um desafio para se criar tecnologia para Educação, saúde, segurança social. Como um exemplo ela escreveu sobre essas oportunidades na saúde e educação:

“À medida que o movimento dos smartphones avança, liderado pelo iPhone de Steve Jobs, não conseguiríamos criar pontes inteiriças entre doutores, pacientes e seguradoras que reduzissem os gastos de US$250 bilhões na administração da área de saúde?

E na Internet não conseguríamos criar um corpo de conteúdo e metodologia padronizados para professores ao redor dos Estados Unidos – ou do mundo – que inclua os pais no processo e chame a atenção das crianças através do “edutenimento” da mesma maneira que o MySpace ou o World of Warcraft consegem chamar?”

Tim O’Reilly está em uma missão parecida desde seu discurso na Web 2.0 Expo no início de 2008, para que startups enfrentem grandes desafios. Sua mensagem principal é que devemos trabalhar com “coisas que importam”.

O que vem por aí… nos digam nos comentários

Nós no ReadWriteWeb cobrimos aplicações web mais populares e coisas como saúde 2.0 esse ano, mas somente arranhamos a superfície, da mesma maneira que a maioria das startups e empresas de Internet. À medida que os problemas da economia começam a afetar o mundo da tecnologia iremos duplicar nossos esforços para documentar o que esperamos que seja uma nova e excitante era da inovação na web.

Mas, ainda no melhor espírito da web 2.0 vamos começar perguntando a vocês para comentar quais oportunidades em tecnologia web você prevê para os próximos anos ou mais.

0 responses to “O que Vem Depois da Web 2.0

  1. Eu acesso a Internet desde 1994 e posso afirmar com toda a segurança: A WEB 2.0 nunca existiu. É a maior cascata marketeira de todos os tempos. Explico: Em 1989, Tim Bernes-Lee propôs no documento que viria a se tornar o projeto da WEB, que no seu uso “permitisse o compartilhamento de informações de forma colaborativa”. Veja bem… Isso em 1989! O link está aqui: http://www.w3.org/History/1989/proposal.html Daí, em 2004, chega o Tim O’Reilly e tenta “reiventar a roda” na maior cara de pau, propondo algo que SEMPRE existiu! O que não existia, no início da internet era velocidade de acesso e número de usuários suficientes mas, mesmo assim, em 1995, já era possível, você mesmo, criar um blog no GEOCITIES (depois comprando pelo Yahoo) e em 1996 usuários que compravam livros na AMAZON já postavam comentários fazendo recomendações para outros usuários da livraria on-line. Wikipedia? Já exitiam várias também nos anos 90. E esses são apenas três simples exemplos de colaboração e uso da internet como plataforma já naquela época, para provar que o uso do termo WEB 2.0 é completamente dispensável. Aliás, basta você fazer uma busca no Google para comprar isso. WEB 2.0 é um termo vazio.

  2. Eu acesso a Internet desde 1994 e posso afirmar com toda a segurança: A WEB 2.0 nunca existiu. É a maior cascata marketeira de todos os tempos. Explico: Em 1989, Tim Bernes-Lee propôs no documento que viria a se tornar o projeto da WEB, que no seu uso “permitisse o compartilhamento de informações de forma colaborativa”. Veja bem… Isso em 1989! O link está aqui: http://www.w3.org/History/1989/proposal.html Daí, em 2004, chega o Tim O’Reilly e tenta “reiventar a roda” na maior cara de pau, propondo algo que SEMPRE existiu! O que não existia, no início da internet era velocidade de acesso e número de usuários suficientes mas, mesmo assim, em 1995, já era possível, você mesmo, criar um blog no GEOCITIES (depois comprando pelo Yahoo) e em 1996 usuários que compravam livros na AMAZON já postavam comentários fazendo recomendações para outros usuários da livraria on-line. Wikipedia? Já exitiam várias também nos anos 90. E esses são apenas três simples exemplos de colaboração e uso da internet como plataforma já naquela época, para provar que o uso do termo WEB 2.0 é completamente dispensável. Aliás, basta você fazer uma busca no Google para comprar isso. WEB 2.0 é um termo vazio.

  3. Depois de tantos anos falando no assunto, parece que ainda faz muita confusão o que é ou não é a Web 2.0.

    Ao contrário do que fala o artigo, a Web 2.0 não foi criada em 2004, nem sequer é uma Internet que substitui outra.

    Web 2.0 foi apenas um nome que Tim O’Reilly deu para descrever um conjunto de práticas que várias empresas aplicaram e as permitiu sobreviver ao fim da bolha das empresas .COM que ocorreu no ano 2000. Portanto é uma descrição de práticas que já existia desde de antes do ano 2000.

    Para descrever o que é a Web 2.0, é mais fácil comparar com o que era a suposta Web 1.0. Em tempos descrevi o que era uma e outra porque a descrição de Tim O’Reilly só levantou mais confusão do que esclareceu.

    http://www.phpclasses.org/blog/post/53-Is-PHP-ready-for-Web-20.html

  4. Depois de tantos anos falando no assunto, parece que ainda faz muita confusão o que é ou não é a Web 2.0.

    Ao contrário do que fala o artigo, a Web 2.0 não foi criada em 2004, nem sequer é uma Internet que substitui outra.

    Web 2.0 foi apenas um nome que Tim O’Reilly deu para descrever um conjunto de práticas que várias empresas aplicaram e as permitiu sobreviver ao fim da bolha das empresas .COM que ocorreu no ano 2000. Portanto é uma descrição de práticas que já existia desde de antes do ano 2000.

    Para descrever o que é a Web 2.0, é mais fácil comparar com o que era a suposta Web 1.0. Em tempos descrevi o que era uma e outra porque a descrição de Tim O’Reilly só levantou mais confusão do que esclareceu.

    http://www.phpclasses.org/blog/post/53-Is-PHP-ready-for-Web-20.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *