Pesquisa Mostra que a Comunidade Java Está Preocupada com a Oracle

Falamos sobre a dura jornada em que o Java tem seguido desde o processo que a Oracle abriu contra a Google no ano passado por violação de copyright no seu software no Android. Essa ação judicial tem provocado uma onda de respostas dos desenvolvedores Java (incluindo do “pai do Java” James Gosling) e também da Apache Software Foundation (que em Dezembro se desligou do Java Executive Committee).

Não é exatamente surpreendente que esta cadeia de eventos tenha abalado a confiança da comunidade Java na Oracle. Realmente, esse parece ser o consenso apontado por uma pesquisa feito pela JavaOne. A pesquisa foi feita para conhecer os pensamentos da comunidade Java sobre a Oracle e sobre o open-source.

A pesquisa, que teve mais de 600 entrevistados, contou com algumas perguntas, dentre elas: com a Oracle, os projetos open-source vão prosperar, continuar da mesma maneira ou morrer? 46% disseram que o open-source dificilmente irá se manter sob a responsabilidade da Oracle. 19% previram que o open-source vai morrer. O open-source sob o domínio da Oracle não é apenas o Java, mas também o MySQL.

56% se mostraram preocupados com o processo da Oracle contra a Google, dizendo que o processo pegou mal para a comunidade Java. 13% disseram que o processo seria uma coisa boa para o Java.

A pesquisa não é científica. Foi feita pela EnterpriseDB, um competidor open source da Oracle, e feita por um grupo que possui interesse no desenrolar da história. No entanto, isso sugere que há muita preocupação com a liderança da Oracle e sobre o futuro do Java.

E você, acha que a Oracle é mocinha ou vilã nesta história?

0 responses to “Pesquisa Mostra que a Comunidade Java Está Preocupada com a Oracle

  1. @Paulo Cesar, o problema é convencer os donos das bilhões de linhas de código codadas em Java 😉

    “In C++ it’s harder to shoot yourself in the foot, but when you do, you blow off your whole leg.” — Bjarne Stroustrup.

  2. A morte do Java não pode, integralmente, colocada na conta do Oracle. Na verdade a morte do Java esta também associada a propria web 2.0 e suas tecnologias simples, práticas e objetivas como RESTx SOAP, JSONPxXML… Em uma época onde gigantes com Microsoft, Borland, Oracle e a pròpria Sun ganhavam milhões vendendo licensa de compiladores, surgue o Java com um novo modelo de negòcio. A Sun trouxe uma ferramenta gratuita mas com o objetivo de vender consultoria. Este modelo de complexidade do Java que viabiliza a venda de cursos, certificações e tudo mais já estava completamente desgastado. Emesmo a Sun já procurava, tardiamente, abraçar a simplicidade. A Oracle só veio jogar a outra de cal.

  3. Esse papo de Java morreu é coisa de programador fanboy de Rails 🙂

    Java é muitíssimo utilizado principalmente fora da web em sistemas corporativos de grandes empresas, no entanto na web, também existem players gigantes que basearam toda, ou grande parte, da sua tecnologia em Java.

    Vide Google com Android por exemplo. Vide o Twitter que utiliza o Scala (baseado em Java) para manter todo aquele volume de atividade sem cair.

    Java não morreu e nem vai morrer tão cedo. Mas que a Oracle está fazendo cagada atrás de cagada isto está.

  4. Google com Android não é um exemplo muito bom, já que eles criaram uma VM própria.
    A VM do Java é muito boa, a linguagem, nem tanto.
    Java não morreu e nem vai morrer tão cedo. Cobol também não morreu.
    Mas é fato que Java está na contra-mão do crescimento. Principalmente como linguagem.

    Java está sendo atropelado pelo Hype 😛
    Até mesmo .NET tem conseguido implacar algumas modas, coisa que Java não faz a muito tempo.
    Se vocês acompanharem as vagas do mercado de BH, por exemplo, hoje a cada 5 vagas de .NET saem 1 de Java. E 1 de PHP.

  5. Fala Alan, então com relação a .NET não sei como está o mercado em BH, mas Java eu te garanto que está faltando gente. Tínhamos uma dificuldade tremenda pra contratar na FSW onde eu trabalhava.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *