Quem Precisa de Java? Provavelmente Você Não!

O escritor da PC Magazine, Larry Seltzer, chegou a uma interessante conclusão após um mês de testes utilizando o computador completamente sem ele: “O Java como uma plataforma cliente é claramente um fracasso, e tudo o que resta é uma grande superfície de ataques no seu computador.”

Isso pode ser verdade, mas achamos que existem algumas outras coisas a se considerar antes de cortar de vez o Java de suas máquinas.

Parecido com a quaresma, onde não se come carne, ou com ficar um ano sem dinheiro, Larry ficou as últimas semanas sem utilizar um cliente Java e descobriu, como muitos que se privam de algo, que a tecnologia não era tão “essencial” quanto parecia. Mas, por que ele fez isso?

“O Java no client side não tem exatamente uma “boa segurança”. Existe muito malware em Java por aí, sempre dependendo das vulnerabilidades corrigidas, pois as versões antigas são comuns em sistemas de usuários,” escreveu Larry quando começou o experimento no mês passado.

Parece que o maior problema que ele enfrentou foi a remoção do Java em si, que parece se instalar em vários locais pelo sistema.

O Java gosta do seu PC, e realmente não quer deixá-lo. Mesmo depois de desinstalar todas as versões listadas no seu Adicionar/Remover você ainda encontra componentes instalados em navegadores, plugins no Firefox ou Google Chrome. É possível também encontrar plugins em outros programas que você pensou que havia desinstalado. O mesmo acontece com o Tools-Manage Add-nos no Internet Explorer. Suponho que o sistema de uninstall não se preocupa com os componentes de navegadores. Depois de desativá-los no Firefox e/ou no Chrome,você pode apagar esses plugins pelos próprios arquivos no C:Arquivos de programasMozilla Firefoxplugins ou aonde o Firefox está instalado.

Larry notou que o Wall Street Journal utiliza o Java e também alguns sites bancários, mas tirando isso, ele se mostrou completamente inútil. Ele avisa que, antes de se livrar do Java, “olhe os seus bookmarks e o histórico das últimas semanas e procure por sites que você utiliza que têm chances de usarem Java”.

Além de sites que ainda usam Java no client side, que são poucos, e grande parte o substituíu pelo Adobe Flash ou Flex, ainda existem alguns aplicativos que usam o Java Runtime Environment – aplicativos que alguns dos leitores mais “geeks” podem estar utilizando.

Por exemplo, nossa alternativa preferida fora da nuvem do Microsoft Office, o Open Office, ainda depende do JRE para funcionar corretamente. Assim como as ferramentas de análise de tráfego de sites, Woopra, que muitas pessoas gostam.

Durante a análise, notou-se que um grande número de soluções corporativas ainda dependem de Java. O Vmware, por exemplo, está introduzindo plataformas para se trabalhar com a Salesforce e a Google que dependem de Java para funcionar. Em geral, muitas empresas ainda usam Java internamente para soluções personalizadas e, ao eliminá-lo de suas máquinas, pode gerar alguns problemas.

Se não fosse pelo Open Office e pelo Woopra, nós daríamos uma chance e tentaríamos a arriscada jogada, mas se trata de dois programas que não abrimos mão. Por enquanto, vamos clicar no “sim”, quando o Java nos oferecer a instalação de alguma atualização. E você, já ficou sem Java na sua máquina?

0 responses to “Quem Precisa de Java? Provavelmente Você Não!

  1. Concordo em gênero, numero e grau com o amigo Neto Marin.

    Infelicidade de Larry Seltzer que fez a análise, e mais infelicidade ainda de quem publicou esse texto no site, que fez com que fosse dado algum valor à análise.

    Se seguir essa linha posso chegar a conclusão que o DirectX é um fracasso pois só costumo jogar, jogos que usam OpenGL. O contrário também poderia ser verdade caso eu jogasse apenas jogos que utilizam DirectX.

    Ainda posso considerar um fracasso também a plataforma .Net pois não uso nenhuma aplicação deles.

  2. A materia foi muito mau colocada. Java é um software e não a solução para todos os problemas. Eu não tenho o Silverligth instalado na minha maquina, não é por isso que ele não serve para o mundo. Não tenho o Photoshop, o MS Office e etc, e nenhum me faz falta. Só por isso eles são programas indignos?

  3. Concordo em gênero, numero e grau com o amigo Neto Marin.

    Infelicidade de Larry Seltzer que fez a análise, e mais infelicidade ainda de quem publicou esse texto no site, que fez com que fosse dado algum valor à análise.

    Se seguir essa linha posso chegar a conclusão que o DirectX é um fracasso pois só costumo jogar, jogos que usam OpenGL. O contrário também poderia ser verdade caso eu jogasse apenas jogos que utilizam DirectX.

    Ainda posso considerar um fracasso também a plataforma .Net pois não uso nenhuma aplicação deles.

  4. A materia foi muito mau colocada. Java é um software e não a solução para todos os problemas. Eu não tenho o Silverligth instalado na minha maquina, não é por isso que ele não serve para o mundo. Não tenho o Photoshop, o MS Office e etc, e nenhum me faz falta. Só por isso eles são programas indignos?

  5. Os comentários acima foram muito precipitados. Não notei generalização no texto, apenas uma avaliação dos impactos no cotidiano DELE ao não usar Java. A partir daí, ele argumenta que muitas pessoas não vão precisar do Java tanto quanto pensam que podem precisar. Mesmo assim, ele chega a citar várias exceções.

  6. Os comentários acima foram muito precipitados. Não notei generalização no texto, apenas uma avaliação dos impactos no cotidiano DELE ao não usar Java. A partir daí, ele argumenta que muitas pessoas não vão precisar do Java tanto quanto pensam que podem precisar. Mesmo assim, ele chega a citar várias exceções.

  7. Aliás, desafio a todos aqueles que ficaram com o orgulho ferido a citar as aplicações que usam que utilizam o cliente Java. Não vale repetir as aplicações citadas no texto. Aposto que vocês, que são aqueles que mais devem usar essa plataforma, ainda não vão conseguir encher a mão de aplicações que precisam de Java como cliente. A maioria das outras pessoas então PROVAVELMENTE, como diz o autor, simplesmente não precisa.

  8. Aliás, desafio a todos aqueles que ficaram com o orgulho ferido a citar as aplicações que usam que utilizam o cliente Java. Não vale repetir as aplicações citadas no texto. Aposto que vocês, que são aqueles que mais devem usar essa plataforma, ainda não vão conseguir encher a mão de aplicações que precisam de Java como cliente. A maioria das outras pessoas então PROVAVELMENTE, como diz o autor, simplesmente não precisa.

  9. Bom, não achei que a matéria apresentou falhas. Ela não disse que o Java não serve pra nada, e até falou que alguns programas essenciais (para alguns) o utiliza. Eu passei muitos anos sem o Java instalado na minha máquina, instalei apenas porque precisei abrir um programa para uma simulação. Para mim, é um “complemento” dispensável.

  10. Bom, não achei que a matéria apresentou falhas. Ela não disse que o Java não serve pra nada, e até falou que alguns programas essenciais (para alguns) o utiliza. Eu passei muitos anos sem o Java instalado na minha máquina, instalei apenas porque precisei abrir um programa para uma simulação. Para mim, é um “complemento” dispensável.

  11. Não acho que o Java, mesmo em aplicação cliente, seja dispensável. A grande maioria dos aplicativos, complementos, applets e afins estão sendo implementados em java. Se não fosse uma plataforma robusta, garanto que não teria essa popularidade toda.

    Faço questão de citar a seguinte frase da matéria: “ainda existem ALGUNS aplicativos que usam o Java Runtime Environment – aplicativos que alguns dos leitores mais ‘geeks’ podem estar utilizando”

    ALGUNS???

    O tom em que o texto demonstra é inaceitável. ALGUNS? Entre todos os usuários que comentam esse post, será que são só alguns que o utilizam? Eu acho que não.

    Bem. Acho que a matéria precisa de modificações.

  12. Não acho que o Java, mesmo em aplicação cliente, seja dispensável. A grande maioria dos aplicativos, complementos, applets e afins estão sendo implementados em java. Se não fosse uma plataforma robusta, garanto que não teria essa popularidade toda.

    Faço questão de citar a seguinte frase da matéria: “ainda existem ALGUNS aplicativos que usam o Java Runtime Environment – aplicativos que alguns dos leitores mais ‘geeks’ podem estar utilizando”

    ALGUNS???

    O tom em que o texto demonstra é inaceitável. ALGUNS? Entre todos os usuários que comentam esse post, será que são só alguns que o utilizam? Eu acho que não.

    Bem. Acho que a matéria precisa de modificações.

  13. Matéria muito nada a ver. Não sou fã do Java mas percebi que a matéria teve uma segunda intenção por trás, principalmente por causa do título.

  14. Matéria muito nada a ver. Não sou fã do Java mas percebi que a matéria teve uma segunda intenção por trás, principalmente por causa do título.

  15. A matéria toca em um tabu para muitos daqueles que trabalham com desenvolvimento, JAVA é uma linguagem utilizada no dia a dia ou não ? 99% dos desenvolvedores dirão que sim, mas e o resto que utilizam computadores, dirá o que ? Acredito que essa foi a tentativa deste artigo. Não posso negar que a frase “O Java como uma plataforma cliente é claramente um fracasso, e tudo o que resta é uma grande superfície de ataques no seu computador.” é equivocada.

  16. A matéria toca em um tabu para muitos daqueles que trabalham com desenvolvimento, JAVA é uma linguagem utilizada no dia a dia ou não ? 99% dos desenvolvedores dirão que sim, mas e o resto que utilizam computadores, dirá o que ? Acredito que essa foi a tentativa deste artigo. Não posso negar que a frase “O Java como uma plataforma cliente é claramente um fracasso, e tudo o que resta é uma grande superfície de ataques no seu computador.” é equivocada.

  17. Gente, vamos a alguns esclarecimentos Ok?

    O artigo trata apenas do Java como PLUGIN para Browsers. mas java é muito mais do que isso.

    Como plugin para browsers, o Java não tem tanta visibilidade como o Flash, por exemplo, que está em tudo que é site. entretanto tem uma penetração no mercado maior ou igual ao flash. Os dois estão em mais de 90% dos computadores do planeta.

    Entretanto, Java é muito mais importante em outros contextos. Como linguagem de programação, é uma das linguagens mais populares atualmente. Se não for a mais popular.

    Mas o poder do Java mesmo não está do lado cliente. Está do lado servidor! sabe essas aplicações web bonitinhas, na nuvem, que vocês usam? Pois é. Uma grande parte delas é Java. A intranet da sua empresa? Provavelmente Java. GMail? JAVA. Orkut? Java. Twitter? Ruby + Scala rodando em cima de uma JVM.

    TODOS OS BANCOS usam java. A maior parte das empresas de telefonia, senão todas, usam Java. O SAP tem integração com Java. O Oracle, aquele banco de dados usado em meia dúzia de nano empresas, usa Java.

    O autor pode muito bem viver sem java no lado cliente. Acredito nisso sim. Quero ver é ele arrancar o Java do lado servidor.

  18. Gente, vamos a alguns esclarecimentos Ok?

    O artigo trata apenas do Java como PLUGIN para Browsers. mas java é muito mais do que isso.

    Como plugin para browsers, o Java não tem tanta visibilidade como o Flash, por exemplo, que está em tudo que é site. entretanto tem uma penetração no mercado maior ou igual ao flash. Os dois estão em mais de 90% dos computadores do planeta.

    Entretanto, Java é muito mais importante em outros contextos. Como linguagem de programação, é uma das linguagens mais populares atualmente. Se não for a mais popular.

    Mas o poder do Java mesmo não está do lado cliente. Está do lado servidor! sabe essas aplicações web bonitinhas, na nuvem, que vocês usam? Pois é. Uma grande parte delas é Java. A intranet da sua empresa? Provavelmente Java. GMail? JAVA. Orkut? Java. Twitter? Ruby + Scala rodando em cima de uma JVM.

    TODOS OS BANCOS usam java. A maior parte das empresas de telefonia, senão todas, usam Java. O SAP tem integração com Java. O Oracle, aquele banco de dados usado em meia dúzia de nano empresas, usa Java.

    O autor pode muito bem viver sem java no lado cliente. Acredito nisso sim. Quero ver é ele arrancar o Java do lado servidor.

  19. Primeiro que o título é muito infeliz e de cara mostra a ignorancia do ator, pq dizer quem precisa do java é uma coisa, agora quem precisa da JRE é algo totalmente diferente. Se vc quer tirar a jre da sua máquina, azar o seu, é a mesma coisa que desinstalar o flash do navegador ou um office quando se não tem outra opção. Simplesmente vc não vai tirar proveito dos recursos que estes oferecem.

    Agora, vale lembrar que este usuário é um usuário bemmm doméstico, pois não acessa internet banking, provavelmente só usa aplicativos mais simples e etc.

    Essa matéria pra mim o autor perdeu a chance de ficar calado e escreveu isso sem ao menos ter uma idéia decente sobre o que estava escrevendo.

    É a nossa mídia de hoje em dia! não precisa mais nem de diploma para virar jornalista, vc pode pegar uma pessoa na rua e coloca-la para sair escrevendo materias.

  20. Primeiro que o título é muito infeliz e de cara mostra a ignorancia do ator, pq dizer quem precisa do java é uma coisa, agora quem precisa da JRE é algo totalmente diferente. Se vc quer tirar a jre da sua máquina, azar o seu, é a mesma coisa que desinstalar o flash do navegador ou um office quando se não tem outra opção. Simplesmente vc não vai tirar proveito dos recursos que estes oferecem.

    Agora, vale lembrar que este usuário é um usuário bemmm doméstico, pois não acessa internet banking, provavelmente só usa aplicativos mais simples e etc.

    Essa matéria pra mim o autor perdeu a chance de ficar calado e escreveu isso sem ao menos ter uma idéia decente sobre o que estava escrevendo.

    É a nossa mídia de hoje em dia! não precisa mais nem de diploma para virar jornalista, vc pode pegar uma pessoa na rua e coloca-la para sair escrevendo materias.

  21. Diogo Bedran e Mike Melanson abram uma padaria porque de informática vocês não entendem nada. Bando de incompetentes. Esse site devia ter vergonha de publicar uma merda dessa.

  22. Diogo Bedran e Mike Melanson abram uma padaria porque de informática vocês não entendem nada. Bando de incompetentes. Esse site devia ter vergonha de publicar uma merda dessa.

  23. A Paz do Senhor para todos.

    Olha, se o cara não precisa de Java problema é dele, eu preciso, não porque gosto de programar em Java mais porque também tem muitas ferramentas que utilizamos que possuí Java, mais uma coisa é séria, se ele precisa usar celular provavelmente precise de Java. Mais cada um tem uma opinião, o importante é ser feliz, se ele acha que é feliz sem Java problema é dele, eu sou feliz com Java, gosto de Java e uso Java.

    Valeu galera, fiquem com Deus, abraços.

  24. A Paz do Senhor para todos.

    Olha, se o cara não precisa de Java problema é dele, eu preciso, não porque gosto de programar em Java mais porque também tem muitas ferramentas que utilizamos que possuí Java, mais uma coisa é séria, se ele precisa usar celular provavelmente precise de Java. Mais cada um tem uma opinião, o importante é ser feliz, se ele acha que é feliz sem Java problema é dele, eu sou feliz com Java, gosto de Java e uso Java.

    Valeu galera, fiquem com Deus, abraços.

  25. Ném se quer o houve uma resposta das pessoas que publicaram esta matéria, fazer o que.
    Java não é só um software, existe varias versões para varias camadas de usuarios, acho que devem tamar cuidado com que se escreve, não sei de tudo, mas vejamos…
    O que pode ser feito em Java?
    TUDO! Java é uma linguagem que não se prende a nenhuma arquitetura e a nenhuma empresa, é rápida e estável. Pode construir sistemas críticos, sistemas que precisam de velocidade e até sistemas que vão para fora do planeta, como a sonda Spirit enviada pela Nasa para Marte. Java tem um mar de projetos open source, que estão lá, esperando por usuários e desenvolvedores.
    As três grandes edições

    Java se divide em três grandes edições.

    * Java 2 Standard Edition (J2SE): É a tecnologia Java para computadores pessoais, notebooks e arquiteturas com poder de processamento e memória consideráveis. Várias APIs acompanham esta versão e tantas outras podem ser baixadas opcionalmente no site da Sun. É com elas que a maioria das aplicações são construídas e executadas. O J2SE possui duas divisões:
    o Java Development Kit (JDK) ou Standard Development Kit (SDK): um conjunto para desenvolvimento em Java e deveria ser instalado apenas pelos desenvolvedores por possuir ferramentas para tal tarefa.
    o Java Runtime Edition JRE: uma versão mais leve da JDK pois é preparada para o ambiente de execução, ou seja, é esta versão que executará os sistemas construídos com a SDK.
    * Java 2 Mobile Edition (J2ME): É a tecnologia Java para dispositivos móveis com limitações de memória ou processamento. Possui APIs bem simples e leves para economizar espaço, memória e processamento. São utilizadas para sistemas em celulares, palm tops, pocket pcs, smartphones, javacards e demais dispositivos. O J2ME se divide em dois grupos de bibliotecas. É dividida em dois grupos:
    o Connected Limited Device Configuration (CLDC): Para celulares e smartphones, que são mais limitados
    o Connected Device Configuration (CDC): Para Palmtops e Pocket pcs e alguns dispositívos mais poderosos.
    * Java 2 Enterprise Edition (J2EE): É a tecnologia Java para aplicações corporativas que podem estar na internet ou não. Possui um grande número de APIs onde a segurança é a principal preocupação. É ideal para a construção de servidores de aplicação, integração de sistemas ou distribuição de serviços para terceiros.
    E isso é só o começo, he he…fonte: googlada por aí. digite “java definições”

  26. Errei!
    Não é “tamar cuidado”, é “tomar cuidado”, e eu não tomei o devido cuidado.
    Desculpe-me, mas não esqueçam do foco que é Java.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *