Nota do editor: Este post faz parte de uma parceria do WebHolic com o site Exame. O conteúdo exibido aqui não é de nossa autoria.

Depois de apanhar da Apple nos tribunais, Google e Samsung preparam um contra-ataque conjunto. A notícia é do jornal Korea Times. Ela chega depois de uma juíza da Califórnia ter proibido a Samsung de vender, nos Estados Unidos, o tablet Galaxy Tab 10.1 e o smartphone Galaxy Nexus, desenvolvido e comercializado em parceria com o Google.

A Apple tem sido muito agressiva em seus processos contra Samsung, HTC e outras fabricantes de smartphones com Android. A empresa da maçã tem alegado violação de propriedade intelectual para requerer a proibição da venda de determinados produtos com Android em vários países. Ao que parece, a intenção de destruir o Android a qualquer custo, de que Steve Jobs falou a seu biógrafo Walter Isaacson, não desapareceu em Cupertino.

Enquanto os alvos da Apple eram os fabricantes de smartphones apenas, o Google vinha evitando se envolver na briga de forma mais ativa. Mas a situação parece ter mudado agora que o alvo é o Galaxy Nexus, o smartphone que leva tanto a marca da Samsung como a do Google. Também contribui para essa mudança de atitude o fato de o Google ser, agora, dono da Motorola, outro alvo dos processos da Apple.

O Korea Times cita uma fonte interna da Samsung, que teria dito que essa é a primeira vez que o Google vem em socorro de sua aliada. O jornal sul-coreano diz, ainda, que o Google também estaria ajudando a HTC, outra empresa que enfrenta processos da Apple. Combinando os acervos de patentes de várias empresas, a turma do Android aumenta suas chances ao negociar com a Apple.

O especialista Florian Mueller, do blog Foss Patents, fez um balanço da disputa. Sua conclusão é que o resultado, até agora, é muito desfavorável à turma do Android. Decisões judiciais já declararam que dispositivos com Android violaram 11 patentes pertencentes à Apple e à Microsoft. Entre essas duas empresas, há uma diferença de atitude. A Microsoft tem buscado acordos com pagamento de royalties. Já a Apple tem preferido requerer a proibição de venda dos produtos rivais.

No tempo de Steve Jobs, um acordo com a Apple era improvável. Mas essa possibilidade parece mais real agora que Tim Cook está no comando. É provável que, em algum momento, as empresas cheguem a uma solução de licenciamento mútuo. Nesse caso, colocam-se na balança as patentes de ambos os lados e quem tiver menos propriedade intelectual paga royalties ao outro.

Sabe-se que a Samsung já apresentou propostas à Apple nesse sentido, mas elas têm sido recusadas. A empresa coreana tem pressa em resolver a questão, por razões óbvias. O Korea Times cita uma estimativa de que a Samsung perde 60 milhões de dólares por mês com a proibição de venda do Galaxy Nexus, e mais 80 milhões de dólares por mês com a interdição do Galaxy Tab 10.1. A Apple não tem tanta pressa.

Galaxy SIII pode ser a próxima vítima

Para conseguir a interdição, a Apple alegou que esses produtos da Samsung violam quatro de suas patentes. Na análise de Florian Mueller, pelo menos uma delas – a que se relaciona com o sistema de busca por voz presente na assistente falante Siri – aplica-se também ao Galaxy S III, o smartphone mais avançado da Samsung. Considerando isso, há boas chances de que a turma de Cupertino a tentar impedir, também, a venda do Galaxy S III. Como se vê, a briga está longe do fim.