Nota do editor: Este post faz parte de uma parceria do WebHolic com o site Exame. O conteúdo exibido aqui não é de nossa autoria.

Os velhos rumores de que a Apple prepara um modelo menor do iPad voltaram a aparecer nesta semana. O site chinês Netease diz que a Apple já encomendou 6 milhões de unidades do tablet à Foxconn e que vai lançá-lo no terceiro trimestre. Diz, ainda, que o tablet vai custar entre 249 e 299 dólares.

Esse rumor vem se juntar a muito outros sobre o mesmo tema. No final de março, o site japonês Macotakara disse que a Apple estava negociando, com fornecedores asiáticos, a compra de telas de cristal líquido de 5 polegadas. O site diz que a informação veio de uma “confiável fonte chinesa”.

Uma tela assim poderia ser tanto de um mini-iPad como de um iPhone 5 grande. Seria um dispositivo híbrido entre tablet e smartphone, no estilo do Galaxy Note, da Samsung, que tem tela de 5,3 polegadas. Lançado em outubro do ano passado, o Galaxy Note já teve mais de 5 milhões de unidades vendidas. Mas outros rumores descrevem o iPad mini como tendo tela de 7 ou 8 polegadas.

Sabe-se que Steve Jobs abominava os tablets pequenos, como a versão inicial do Galaxy Tab, da Samsung, com tela de 7 polegadas. O sucesso do Kindle Fire, da Amazon, pode ter feito a Apple repensar a questão. Lançado no final do ano passado, esse tablet baratinho está disponível apenas nos Estados Unidos. Mesmo assim, é o segundo mais vendido no mundo.

Kindle Fire

Há quem acredite que um tablet pequeno e barato permitiria, à Apple, contra-atacar concorrentes como a Amazon (e, futuramente, o Google) no único semento do mercado de tablets onde a empresa da maçã não é líder: o dos modelos baratinhos, que custam até 250 dólares nos Estados Unidos. Mas a estratégia da Apple sempre tem sido concentrar-se em produtos mais avançados e rentáveis. E os rumores sobre o iPad mini têm sido tão discordantes entre si que é melhor não apostar muito neles.