SPDY: O Google Quer Acelerar a Web Com Um Novo Protocolo

O Google anunciou que está trabalhando em um novo protocolo que irá minimizar a latência e acelerar a experiência na Web dos usuários. O SPDY (pronuncia-se “speedy“) não pretende substituir o HTTP,  e sim permitir que servidores Web e browsers conversem entre si, extendendo o HTTP. O novo protocolo incorpora funcionalidades como priorização de solicitações e compressão de cabeçalho HTTP. O Google já desenvolveu um protótipo de servidor Web e uma versão do Google Chrome com suporte integrado ao SPDY. Em testes de laboratório, o Google diz que as páginas dos 25 websites mais acessados do mundo carregaram 64% mais rápido. Agora que a equipe do SPDY já desenvolveu protótipos funcionais, o Google decidiu abrir o processo e está solicitando a “participação ativa, feedback e assistência da comunidade Web”. No anúncio da quinta-feira passada, o Google reforça que o SPDY não é um substituto para o HTTP. Ele utiliza os métodos e cabeçalhos do HTTP, mas substitui as partes do protocolo que gerenciam conexões e formatos de transferência de dados. O Google irá em breve divulgar o código fonte do servidor Web com suporte SPDY. O código fonte do Chrome já com suporte para SPDY pode ser encontrado no repositório oficial do projeto Chromium

.

Criando Uma Web Mais Rápida e Mais Segura

De acordo com a descrição do projeto SPDY, os objetivos do projeto são reduzir o tempo de carga de páginas em 50%, minimizar a dificuldade de implantação e evitar a necessidade de ajustes por parte dos proprietários de websites em seus sites para implementar o SPDY. Em vez disso, todo trabalho duro irá acontecer no cliente e no servidor Web. A equipe também pretende que o SPDY dê suporte a várias requisições HTTP simultâneas sobre uma única sessão TCP, além de fazer do SSL o protocolo oficial de transporte. O Google claramente tem um interesse em fazer a experiência da Web tão rápida e segura quanto possível para seus usuários. Uma das razões pelas quais o Google lançou seu próprio navegador foi para que todos os outros fabricantes de navegadores voltassem a focar na velocidade. O SPDY é ainda mais ambicioso. Com o SPDY, o Google quer mudar um dos protocolos mais fundamentais da Internet. De acordo com o Google, estas são as melhorias básicas do SPDY em relação ao HTTP:

  • Requisições multiplexadas. Não há limite para o número de requisições que podem ser feitas concorrentemente sobre uma única conexão SPDY. Como as requisições são intercaladas em um único canal, a eficiência do TCP fica muito maior.
  • Requisições priorizadas. Os clientes podem solicitar que alguns recursos sejam entregues primeiro. Isto evita o problema de congestionar a rede com recursos não críticos quando uma solicitação de alta prioridade ainda está pendente.
  • Cabeçalhos (ou headers) comprimidos. Os navegadores hoje enviam uma quantidade significativa de dados redundantes na forma dos cabeçalhos HTTP. Como uma única página Web pode requerer 50 ou 100 subrequisições, estes dados passam a ser significativos. Comprimir os headers permite uma redução sensível na latência e economiza banda se comparado com o HTTP puro.

E você, o que acha do novo protocolo? Será que o SPDY será adotado de verdade pela comunidade web?

0 responses to “SPDY: O Google Quer Acelerar a Web Com Um Novo Protocolo

  1. Mais um passo para a dominação, hehehe.

    Brincadeiras à parte, já estava na hora de alguem oferecer uma otimização para o HTTP. Não adianta pensar na Web 2,3 ou 4 se utilizamos um protocolo de comunicação antigo (sim, eu acho que o HTTP tá fazendo hora extra. É aquela história de pegar um fusquinha, colocar umas turbinas e motor V8 😉

  2. Mais um passo para a dominação, hehehe.

    Brincadeiras à parte, já estava na hora de alguem oferecer uma otimização para o HTTP. Não adianta pensar na Web 2,3 ou 4 se utilizamos um protocolo de comunicação antigo (sim, eu acho que o HTTP tá fazendo hora extra. É aquela história de pegar um fusquinha, colocar umas turbinas e motor V8 😉

  3. Mais um passo para a dominação, hehehe.

    Brincadeiras à parte, já estava na hora de alguem oferecer uma otimização para o HTTP. Não adianta pensar na Web 2,3 ou 4 se utilizamos um protocolo de comunicação antigo (sim, eu acho que o HTTP tá fazendo hora extra. É aquela história de pegar um fusquinha, colocar umas turbinas e motor V8 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *