Startup 101: Começando a lidar com Investidores

Este post é parte da série Startup 101. Para ver a lista dos demais posts, clique aqui. Para acompanhar esta série, assine nosso feed RSS ou nos siga no Twitter.

Os investidores de Capital de Risco (VCs) tem um trabalho bem simples. Tudo que eles tem que fazer é encontrar um empreendedor que já criou ao menos um negócio de sucesso e investir em seu próximo projeto. Apenas um problema aí: Isso é quase tão fácil quanto encontrar dentes em uma galinha!

Uma vez que o investidor tenha achado um empreendedor de sucesso, ele ainda tem que triar aqueles que querem começar uma nova jornada ao invés de irem aproveitar a estabilidade adquirida pelo sucesso de seu negócio anterior. Depois, eles tem que encontrar o empreendedor que busca capital de risco, mesmo que não precise disso (Um case de sucesso geralmente vem acompanhado de uma polpuda conta bancária). Aí vem o problema, quando os VCs acharem este empreendedor ideal e raro, eles vão encontrar vários outros VCs concorrentes batendo na mesma porta.

VCs Precisam Investir em Empreendedores de Primeira Viagem

O objetivo desta série é ajudar o empreendedor de primeira viagem. Então, você deve estar bem feliz em saber que eles investem em empreendedores de primeira viagem. Mas você deve saber também, que você é sempre a segunda opção. Eles não querem realmente investir em você. Eles preferem tradicionalmente investir em um empreendedor serial. Uma velha máxima do mercado é “Nós investimos no Jóquei, não no cavalo”.

Então vamos esclarecer o que os VCs chamam de empreendedor serial. Afinal, maquiar seu curriculo para parecer serial, não vai te ajudar muito. Um empreendedor serial já recebeu aportes de capital de risco e deu ao VC um retorno de 10 vezes ou mais do seu investimento. Este é o objetivo deles. Todo o resto é quase bom, ou medalha de prata, se preferir. Existem 2 tipos de empreendedores medalha de prata:

1. Conseguiu um aporte de VC e teve sua saída, mas com um retorno fraco. Se VCs veem um empreendedor que foi pego por uma mudança de mercado, mas ainda assim conseguiu dar algum retorno, eles vão querer apostar, mas estarão mais cautelosos para a segunda chance.

2. Conseguiu um razoável sucesso com um negócio mantido por dinheiro do próprio bolso, sem investidores. VCs percebem o valor disso e gostam. É uma experiência de grande valor, mas eles ainda assim ficam se perguntando: “Será que este empreendedor sabe como escalar seu negócio?” Esta dúvida não é um porém. As lições aprendidas ao tocar um negócio com capital próprio são importantes. Todos os investidores gostam de eficiência financeira. Mas quando se investe do próprio bolso, algumas das lições podem não ser tão boas. Geralmente neste caso, é comum o empreendedor ter que escolher fluxo de caixa no curto prazo à ganhos em escala. VCs não gostam de empreendedores que queimam dinheiro para resolver todos os problemas, sem usar a criatividade. Mas você precisa mostrar a eles que você sabe como escalar.

Estes são os dois tipos de empreendedores que sinalizam um “prossiga com atenção” para o Investidor.

Você se encontra em uma dessas categorias? Se não, provavelmente você é realmente um empreendedor de primeira viagem…

Três Tipos de Empreendedores de Primeira Viagem

  1. Jovem, acabou de sair da faculdade, talvez tenha trabalhado em uma startup. Este foi o modelo “clássico” da antiga web 2.0. Geralmente é: (a) um desenvolvedor que conseguiu fazer um protótipo e ganhar alguma tração sem capital de terceiros, ou (b) um empreendedor jovem que vê uma tendência que as pessoas mais velhas não vêem. O grande debate é quando e como trazer uma gestão mais experiente para a startup. VCs geralmente gostam deste perfil de empreendedor porque eles tem um monte de energida e não acham nada impossível. Suas baixas expectativas por recompensas ajudam a manter a eficiência financeira do negócio. Alguns dos maiores casos de sucesso de todos os tempos se encaixam nesta categoria; pense em Bill Gates. Mas lembre-se, para cada caso de garoto “Capa de Revista”, temos uma tonelada de fracassos.
  2. Média gerência e profissionais senior com experiência em grandes empresas, que agora querem entrar de cabeça na startuplândia. O histórico deste tipo de “transplante” geralmente é ruim. Se você se enquadra nesta categoria, tente trabalhar para um startup mais madura antes de começar a sua própria. Existem várias questões culturais das grandes empresas que são bastante prejudiciais para empresas nascentes. (Veja o próximo tópico)
  3. Trabalhou em outras startups e contribuiu para seu sucesso. Existe um grande valor de marca aqui: “Fulano do Google/PayPal/Skype/YouTube/Salesforce [insira uma startup de sucesso aqui]” soa bem. Se o empreendedor teve uma passagem por este tipo de empresa, realmente aprendeu do negócio e contribuiu para seu sucesso, geralmente ele faz o tipo de empreendedor de primeira viagem favorito dos VCs.

O outro ponto de vista

Alguns investidores tem um ponto de vista na contramão da maioria. Eles insistem em investir em investidores de primeira viagem.  A razão que eles alegam é simples: “Estes empreendedores tem a gana de acertar”. Para estes, o custo de triagem de empreendedores de primeira viagem é mais alto, e é necessário se dedicar muito mais para levar a experiência do investidor para dentro da empresa, mas os ganhos valem a pena.

Além disso, muitos dos segundos filhos de empreendedores de sucesso, são fiascos. Isso acontece quando ninguém tem a coragem de dizer: “Ei, isso é estúpido. Pare!” Pense no Steve Jobs quando abriu a NeXT.

Mas então, em sua terceira investida, (chame-a de Apple 2.0) Ele teve um sucesso fenomenal novamente.

Estes mesmos investidores que apostam nos novatos, geralmente apostam no terceiro filho, quando o primeiro foi bom e o segundo foi um fiasco.

Entenda as preocupações sobre investir em um empreendedor novato

Entenda alguns dos pontos que preocupam os VC’s para que você consiga contorná-los:

  1. Você não vai bater seus números. Negócios vivem de números. Estes números podem ser lucro, receita, pageviews, assinantes ou qualquer outra métrica que eventualmente possa ser convertida em lucro. Estudar o histórico de empresas maiores e concorrentes pode ajudar você a errar menos.
  2. Você não vai ouvir conselhos. Este é um caso bastante problemático, pois caso você não esteja batendo suas metas você vai precisar de verdade de ajuda. Se você nunca foi o CEO de uma empresa investida por capital de risco, você pode não saber como lidar bem com isso. Não se deve dizer “com certeza” ou abaixar a cabeça para cada sugestão do seu investidor (apesar de algumas vezes eles serem bastante “persuasivos”). Mas é importante ouvir cada conselho, enteder o ponto de vista do outro lado, e tentar chegar em uma abordagem que combine o seu conhecimento e feeling do mercado, com a experiência do VC em criar negócios escaláveis.
  3. Você pode não ter o gene empreendedor. VCs estão procurando flexibilidade e segurança, características que compõem o DNA de um empreendedor. Se eles não conseguirem sentir isso de você, eles vão ficar o máximo possível na sua cola. É importante demonstrar seu comprometimento com os resultados e também sua capacidade de se manter no controle nos momentos mais difíceis, mantendo o foco.

Entenda o Trade-Off que você representa

Como empreendedor de primeira viagem você oferece aos investidores um Trade-Off. Você dará a eles menos experiência que eles querem, mas também dará mais energia, disposição e trabalho duro. É importante ressaltar que é sua a obrigação de minimizar os riscos causados pela sua inexperiência e é importante começar a minimizá-los ainda antes de conseguir um aporte. Os investidores irão querer investir em você mais devagar e cuidadosamente até te conhecerem e conhecerem o seu negócio, para aí sim fazer investimentos mais substanciais.

E você, já lidou com investidores? Como foi a aproximação, e quais as lições aprendidas? Comente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *