Startup 101: Viabilizando Financeiramente Seu Negócio

Este post é parte da série Startup 101. Para ver a lista dos demais posts, clique aqui. Para acompanhar esta série, assine nosso feed RSS ou nos siga no Twitter.


pré venture capital!

Em nosso post ‘10 coisas a se pensar antes de abrir sua empresa’, falamos um pouco sobre a decisão entre seguir a carreira solo ou juntar um time de sócios para sua startup. Se você optou por ter sócios, mesmo que sejam apenas 2, vocês terão que definir como esta parceria funcionará. A moeda corrente será o equity, a participação acionária de uma empresa que ainda não é muito mais que apenas uma ideia. Parece simples, mas é uma das decisões mais delicadas no caminho do desenvolvimento da sua empresa.

Monte um Time Pequeno e Multidisciplinar

Veja alguns conselhos de investidores sobre esta decisão:

  • Aposte em times com 2 ou 3 sócios. 5 é instável, 1 é difícil demais.
  • A melhor combinação possível de sócios é um que possa desenvolver/cuidar do produto e um sócio capaz de vender.
  • O time importa mais para negócios B2B que para B2C. No mercado B2C tração importa mais que a qualidade do time em si. (Não que seja menos importante, mas o investidor valoriza menos o time, neste caso.)

Geralmente quando se fala em montar um time para uma startup, se fala sobre juntar “rock stars”. Artistas solo podem se dar muito bem (pense em Bob Dylan) e quando eles fazem sucesso, eles contratam outros músicos para ajudar. Mas a história dos grandes hits está mais para boas duplas: Lennon e McCartney, Simone Garfunkel, Jagger e Richards. Estas bandas podem talvez até ter mais membros, mas fica claro quem são os rock stars.

Um Líder Emergirá

Uma grande banda como os Rolling Stones pode acabar se tornando uma mega empresa, mas é importante ressaltar que os conjuntos de habilidades de cada membro são diferentes. Em negócios assim como na música, um dos fundadores emerge como o front man, o líder e CEO.

Existem casos em que ambos os sócios ficam juntos e trabalham construindo o negócio lado a lado. Hewlett e Packard (os Fundadores da HP) são um bom exemplo. Mas em geral as empresas precisam de um CEO/líder para ser reconhecido pelos empregados, clientes e investidores.

É por isso que explicitar acordos sobre compra e venda das ações iniciais é uma boa idéia. Em muitos casos nem é necessário um advogado, basta fazer o download de termos para estes acordos, estudar e assinar com seu sócio. É importante que os termos sejam recíprocos, para que ninguém seja prejudicado. Estes acordos são importantes, pois eles apenas registram que as pessoas e suas prioridades podem mudar, e isso não pode prejudicar sua startup. Pode ser que você seja o sócio querendo sair, ou também que você compre a parte do seu sócio. Ambas as possibilidades devem estar abertas.

Dividindo Algo que Ainda Nem Existe

Os aspectos legais do assunto serão falados nos próximos posts da série. Mas é importante citar que muitas empresas começam sem capital, sem valor, apenas no estágio de ideia. Você pode ouvir histórias de startups cujos fundadores recebem um cheque de investidores antes mesmo de criar uma conta no banco ou assinar os papéis da oficialização da empresa. Esqueça isso.

Se os sócios são apenas 2 é bem simples. Mas se o time tem 3 ou mais fundadores, você terá que escolher dentre algumas opções:

  1. Puramente verbal. “Somos companheiros e entendemos uns aos outros, certo?”
  2. Cada um dos sócios consegue um advogado e disputa com os demais cada 1% da empresa. Mas afinal, quanto vale 1% de uma empresa que ainda nem nasceu?
  3. Documentar que vocês entraram em um acordo verbal ou via email, imprimir os termos e assiná-los.
  4. Fazer o download de um template adequado, adequar aos termos que vocês acordaram e buscar uma consultoria legal para evitar possíveis tropeços.

Quando você tem 2 ou 3 sócios, é fácil ocorrerem desentendimentos. Quando não há nada ou valor para ser disputado, não existem brigas, mas quando o negócio dá sinais de que vai emplacar e um dos fundadores desenvolve “amnésia seletiva” é bom estar previnido.

É importante se preocupar com estas questões cedo pois o próximo estágio é trazer um investidor para o negócio.

Prepare-se para novos termos: Diga Oi Due Diligence!

O termo due diligence, ou diligência prévia é um conceito importante de entender para um possível cenário de aporte de capital.

No estágio inicial, o investidor observará apenas seu time e seu site. Se seu site ou seu time forem ruins, esqueça o investimento. Se um de vocês tiver antecedentes criminais então, adeus. Se você passar por isso, o due diligence é o passo que vem após a discussão dos termos do investimento e antes do contrato e do dinheiro no banco.

É um processo simples, mas existem coisas que você tem que evitar. Pessoas que estejam no time e tenham vínculos com outros projetos onde incorrem questões de propriedade intelectual é uma delas. Se alguém aparece em algum momento e diz “Eles roubaram isso de mim” pode apostar que os investidores vão correr antes de aportar em você.

É importante deixar claro algumas coisas:

  • Os fundadores devem preparar uma documentação que diga que cada um possui X% da empresa e que toda a propriedade intelectual gerada no empreendimento é de propriedade da sua startup.
  • Caso tenha algum parceiro que tenha ajudado a desenvolver algo da empresa, mas que não faz parte dos sócios, ele precisa assinar um termo deixando isso claro para os investidores.
  • Funcionários que trabalham por equity devem deixar claro que todo o resultado do trabalho de propriedade intelectual pertence à startup.

Pagando com Equity

Pode ser que você não possa pagar em dinheiro algumas coisas que você precisa que sejam feitas ao longo do processo de criação da sua empresa. Para tais, você pode concordar em pagar em equity (participação acionária na empresa). Quando for o caso, não pague em porcentagens, considere as seguintes variáveis:

  1. Quanto em dinheiro esta pessoa cobraria? Avalie se o valor está de acordo com os valores de mercado.
  2. Concorde em pagar o dobro daquele valor em equity. O valor é dobrado para cobrir os riscos de o profissional não ver nada em grana de verdade.
  3. Converta este valor em equity no valuation do seu primeiro round de investimento.

Não trate esta pessoa como um investidor ou um sócio. Ele não é. Eles podem não saber como avaliar seu negócio, e geralmente não vale a pena tentar explicar. Eles são prestadores de serviço dispostos a aceitar um contrato de risco.

Nota: Um mentor de longa data é um caso específico, com o qual lidaremos no próximo post.

Vesting

Na negociação com os investidores vão haver exigências de ambas as partes. Falaremos mais sobre este assunto em um post posterior. Por hora, é importante saber que vesting é uma prática comum do mercado de capital risco, e você vai ter que lidar com ela. Vesting basicamente significa que o investidor aposta no time da startup. Quando alguém investe em uma equipe de fundadores, eles investem no trabalho que este time fará no futuro. Então eles exigem que você invista suas ações de fundador da empresa distribuídas ao longo do tempo. Isso pode significar um contrato de permanência na empresa por prazos longos, e sua participação na empresa aumentará de acordo com quanto tempo você passa na empresa, baseado no seu teto de participação.

O vesting também protege você de seus sócios. Se você possui mais 2 sócios, cada um com 33% de stock options, não é justo que um deles saia logo após o investimento e fique com a totalidade de seus 33%.

É importante que seja definida cedo a política de vesting da sua startup, para que você já chegue ao investidor com algo estruturado. Geralmente o mercado pratica vesting de 4 anos para os fundadores. Os investidores gostarão que você demonstre suas intenções com o futuro da empresa e isso ajudará bastante para que você consiga avançar rumo ao seu primeiro investimento.

Participe da série Startup 101 no RWW Brasil. Comente, deixe suas dicas de assuntos para abordarmos e acompanhe nosso RSS.

0 responses to “Startup 101: Viabilizando Financeiramente Seu Negócio

  1. Diego,

    Parabens mesmo pelo post e pela série – ainda vou terminar de ler !

    Mas já deu para perceber que é muito boa !

    abs
    Marcus

  2. Olá Diego,

    Parabens pelo post e pela série.

    Ainda não li inteira, mas já percebi que é muito boa !!

    O readwriteweb ganhou mais um leitor 🙂

  3. Diego,

    Parabens mesmo pelo post e pela série – ainda vou terminar de ler !

    Mas já deu para perceber que é muito boa !

    abs
    Marcus

  4. Olá Diego,

    Parabens pelo post e pela série.

    Ainda não li inteira, mas já percebi que é muito boa !!

    O readwriteweb ganhou mais um leitor 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *