Um Ano de Compras Coletivas no Brasil

Há exatamente um ano, o Peixe Urbano – o primeiro serviço de compras coletivas do Brasil – era anunciado ao público. O modelo de compras coletivas foi a grande novidade da Internet em 2010 e tomou o mundo de assalto. No Brasil, empresas como Peixe Urbano, ClickOn e Citybest ocuparam o espaço inicial. Enquanto isso, nos EUA o Groupon se tornava o foco das atenções (depois do Facebook, claro), sendo cortejado pelo Google, em um negócio que não se concretizou.

No final de 2010, o jogo ficou sério com a entrada do Groupon no mercado brasileiro. Logo depois, no início de 2011, o ClickOn iniciou a sua expansão internacional, e o Peixe Urbano recebeu um aporte de capital que permitiu uma grande expansão de suas operações nacionais. E depois de desistir do Groupon, o Google lançou um novo serviço de compras coletivas, o Google Offers.  Mas junto com tanto sucesso, há também alguns problemas que podem limitar o crescimento do negócio a longo prazo.

Problemas da Compra Coletiva

Ninguém pode discutir o sucesso dos derivados do Groupon, porém é evidente que pelo menos para os “early adopters“, o modelo já está se desgastando. Usuários reclamam principalmente de duas coisas: da forma de abordagem, através de correio eletrônico em massa (para não dizer spam), e da baixa relevância do mix de produtos ofertados.

O primeiro problema é consequência da dependência do email do usuário como canal de comunicação. O email é para muitas pessoas uma ferramenta de comunicação importante, que exige atenção concentrada para manter a caixa postal sob controle. Os emails diários de oferta – que inicialmente são muito bem vindos – aos poucos se tornam um problema. É possível que os serviços consigam inovar nesta frente, explorando mecanismos mais inteligentes de abordagem (o que já vem ocorrendo, como por exemplo através do apoio de mídia de massa, ou de tópicos de Twitter). Ainda existe muito espaço para inovação nesta frente.

Já o segundo é mais complicado, porque depende do comportamento dos usuários. Os serviços de compra coletiva se tornaram muito populares porque eles estimulam a compra por impulso, do tipo “oferta irresistível” (pacotes de viagem, tratamentos de beleza, vouchers de restaurantes, etc.). A fórmula é muito repetitiva, e traz vários problemas. Muita gente compra e não consegue usar no prazo ou nas condições indicadas (o que abre espaço para a venda de cupons de segunda mão, que são outro negócio derivado). Os produtos são supérfluos, o que amplifica a percepção de “spam” nas mensagens diárias. E finalmente, há os casos de compulsão, que trazem uma conotação negativa do produto como algo desnecessário ou até indesejável.

O Futuro das Compras Coletivas

O modelo de compras coletivas ainda tem muito espaço para inovação. Uma de suas forças é trazer um pouco mais do mundo real para os negócios Web. As empresas de compra coletiva tem uma estrutura bem diferente de uma startup 100% virtual, pois dependem de força de venda local para levantar oportunidades em cada cidade atendida. Se por um lado isso complica a operação, por outro abre novas possibilidades de negócio.

Há também espaço para inovações técnicas, especialmente para melhorar a precisão de seu sistema de abordagem de clientes. A abordagem de email em massa pode ter sido apenas um passo necessário no começo do negócio, para ganhar volume, mas com massa suficiente de usuários, é possível começar a pensar em processos mais otimizados e inteligentes, e que também sejam menos cansativos para o usuário. A integração com outras ferramentas como Twitter e Facebook também já está sendo melhor explorada, mas ainda tem muito mais espaço para inovação.

Finalmente, o próprio perfil das ofertas ainda pode melhorar muito. Há um limite em quantos finais de semana em pousada uma pessoa possa contratar (e usar). Novos produtos e formas de promoção podem revitalizar o formato e ajudar a manutenção de sua expansão. Isso seria bom para todo mundo – afinal, quem não gosta de ganhar desconto?

0 responses to “Um Ano de Compras Coletivas no Brasil

  1. Após 1 ano de Compras Coletivas no Brasil podemos visualizar o início da estabilidade dos serviços e o desaparacimento de diversos sites que tentaram pegar carona, mas que não conseguiram. Em contrapartida devemos exaltar as grandes e pequenas empresas que fizeram e ainda fazem seu papel e buscam parceiros que possam acompanhar esse crescimento. Por isso criamos o Ouvidoria Coletiva – http://www.ouvidoriacoletiva.com.br para que possamos juntamente com os usuários dos sites de Compras Coletivas no Brasil, compartilhar informações importantes sobre o zelo pela qualidade no atendimento e de produtos ofertados.
    Conheçam o Ouvidoria Coletiva que já ganhou o apoio de diversos sites de Compras Coletivas e estabelecimentos como Peixe Urbano, Panfleteria, Imperdível, Privalia, Pega Cupom, Macaco Joe, etc.

  2. Sistemas de Compras Coletivas são bons, mas a diversidade de ofertas é limitada. Para economizar mais em suas compras use comparadores de preços como o Nhemu.com (http://www.nhemu.com). É impressionante como os preços variam entre lojas e você pode aproveitar eventuais promoções feitas por cada uma delas.

  3. Em 2011 ainda veremos muitas modificações neste segmento. Acredito que muitos sites (e estabelecimentos) irão aprender com os erros (deles e de outros sites) e a tendência é melhorar ainda mais!
    Porém, os dois problemas mencionados acima já podem ser contornados com novos sites que estão se “alimentando” do mercado de compras coletivas:
    – para evitar o spam, basta remover o seu email do newsletter ou email diário dos sites de compras coletivas e acompanhar os agregardores de compras coletivas (como o nosso – http://www.ofertasresumidas.com.br)
    – O mix de produto de baixa relavância também pode ser resolvido com os agregadores, onde se pode visualizar só a categoria de interesse, como gastronomia, beleza, hotéis, etc
    Boas compras

  4. Salve salve Pessoal!!!!

    Sempre fui adepto dos sites de compra coletiva, principalmente Peixe Urbano e Groupon, mas comecei a me irritar com os vários e-mails recebidos diariamente sobre promoções que não me interessam e algumas em lugares inviáveis. Semana passada estava conversando com um amigo e ele me passou um agregador de sites de compra coletiva, Comune, onde eu consigo obter as melhores ofertas de todos os sites e ainda recebo somente um e-mail com as ofertas próximas de casa e de meu interesse. Hoje em dia facilito o meu tempo olhando direto o e-mail do site do Comune, http://www.comune.com.br?utm_source=ComuneTwitter, e lá eu encontro as melhores ofertas do mercado e não preciso perder o meu tempo e ficar pesquisando em cada site de compra coletiva.
    Aquele Abraço!

  5. Acredito que por mais que tentemos adivinhar ainda não é possível descrever, pois é um ramo muito novo que cresce em uma velocidade fantástica por isso que é previsível mas é somente uma previsão e não um fato.
    Os consumidores ainda lidam com algo que é novo e que não se tornou estável, assim como em 2000 foi o boom do e-commerce e em 2011 será, e já sendo o boom das compras coletivas, há quem pense que o consumidor de internet não tem medo de arriscar, muitooo pelo contrário o consumidor da web sabe muito bem onde coloca os dados do seu cartão, onde procurar reclamações e falhas daquela empresa.
    Assim somente as empresas sérias com reputação no mercado que ficarão, eu já vivenciei algumas situações pela internet, participo de redes sociais, já comprei roupas, sapatos, eletros e agora compro serviços variados com um descontos maravilhosos principalmente para nós, mulheres dedicadas e informada rs e principalmete informadas eu sempre procuro aqueles que tem o SAC porque qualquer probleminha que tiver já pego o cel e ligo, indico o http://www.promoferta.com.br , pois tive problemas em minha conta “erro meu” e me atenderam com uma atenção impar.
    Bjinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *