Eu sempre fui um quebrador de iPhones. Tive 3 gerações do querido gadget, desde o primeiro iPhone (cara, aquilo era revolucionário, mas o meu só tinha 4GB) passando pelo iPhone 3GS, e por último um iPhone 4, que comprei em 2011. Meu primeiro iPhone, que o @pecanha trouxe para mim dos EUA no final de 2007, 2 ou 3 meses após o lançamento, foi a primeira vítima. Menos de 6 meses com o telefone, que na época era simplesmente o gadget mais revolucionário que eu já tinha visto, a tela espatifou em um tombo inocente.

Em 2008, era bem difícil achar um lugar para consertar o telefone, e as assistências da Apple no Brasil ainda não consertavam os iPhones gringos. Liguei para dezenas de lojas e achei uma que consertava. Postei por sedex, e 30 dias depois, o brinquedinho voltou, novinho, consertado. Paguei R$500, um absurdo, dado que o telefone tinha custado algo perto de R$1200 naquela época. Sim, eu tive que esperar 30 dias, mas valeu a pena.  Depois de mais 1 ano, no meio de 2009 o telefone quebrou a tela novamente. Dessa vez já não valia mais a pena consertar, os preços não tinham baixado e acabei optando por comprar o iPhone 3GS. Esse durou pouco, foi roubado no final de 2009, e aí passei um tempinho no mundo Android (Motorola Droid 1, para ser mais específico, mas isso é outra história).

No natal de 2010, comprei um iPhone 4. Esse telefone durou muito, e eu tinha planos de ficar com ele indeterminadamente, dado que os novos modelos que o sucederam não mostravam ganhos de performance e funcionalidades que justificassem a troca para mim. Mais ou menos um ano e meio depois, com o telefone ainda funcionando (milagre??), conheci o clube Pitzi. A ideia é simples, você paga uma mensalidade dependendo do modelo do seu aparelho, no meu caso R$ 15, e eles consertam quaisquer problemas que aconteçam com o seu aparelho, durante o período que você estiver filiado ao clube. Aparentemente, o modelo é inspirado em empresas americanas de seguros para smartphones  e gadgets como a Asurion.

Resolvi assinar, afinal era um milagre, de alguma maneira, eu ainda não ter quebrado a tela deste celular.

O processo de assinatura foi bem simples, primeiro você informa o modelo do seu celular, e eles informam o valor da mensalidade, depois você preenche os dados de email, senha, cartão de crédito para a cobrança mensal, e eles também pedem uma foto do seu celular, mostrando que a tela não está quebrada e com o código IMEI visível.

A foto que enviei no cadastro da Pitzi [ANTES]

Criei minha conta, e esqueci. Sinceramente não fazia ideia de quando ia precisar do serviço e na maior parte do tempo, nem lembrava que tinha assinado.

Aí, na semana passada, caminhando pela rua, recebo uma mensagem no WhatsApp e ao tirar meu celular afoitamente do bolso, ele escorrega e voa longe. Pousa no asfalto, com o vidro frontal para baixo. Como esperado de um iPhone 4, ambos os vidros se quebraram. Lembrei na hora da Pitzi e do próprio telefone quebrado já entrei em contato com a empresa. Aproveitei para mencionar que o botão home, e o botão superior do iphone também estavam agarrando e eles disseram que também consertariam.

[Depois do acidente]

Recebi quase imediatamente o seguinte email:

Bom dia, Diego!

Tudo bem?
Que pena o que aconteceu com seu celular. É de partir o coração, né? Mas fique tranquilo, que ele será muito bem cuidado =)
Assim como conversamos pelo telefone, acredito que a forma mais eficaz e rápida de solucionarmos o caso do seu pequeno comparsa seria você o enviando a nós pela modalidade mais ágil de Sedex, para recebermos o aparelho e já iniciarmos o processo de reparo.

O valor do serviço junto aos Correios é por nossa conta e nós podemos descontá-lo da taxa de R$75,00 que você pagaria para acionar nosso serviço. Você precisaria autorizar a cobrança em seu cartão cadastrado.

Nosso endereço é Rua Frei Galvão, 135, Jardim Paulistano, Pinheiros, CEP 01454-060.

Fique à vontade em me contatar, se tiver qualquer dúvida, ok?
Meus telefones são: xxxxxxxxx ou xxxxxxxx.
Um abraço,
______

Confesso que senti uma tranquilidade boa. Ali percebi que meu celular ia se salvar e eles estavam realmente preocupados em me ajudar. Como estava viajando e o telefone ainda funcionava, demorei alguns dias para postar o telefone via SEDEX. Postei na segunda feira, enviei o código de rastreamento para a Pitzi e recebi o seguinte email:

Oi Diego!

Tudo bem?
Olha obrigada pelo código de rastreamento.
Então, estava conversando com a minha equipe, e vimos que seu comparsa esta com muitos problemas, certo? =(
Então, pensamos o seguinte: O que você acha de ficar com um Iphone 4S novinho (já que não vendem mais 4!) em troca do seu celular todo quebradinho?
Assim, a gente já enviaria o seu novo comparsa para você amanha mesmo! 😉
O que você me diz?

Resumo da ópera, em 4 dias apenas deu tudo certo, postei meu celular na segunda feira, e já recebi um telefone novo, melhor do que meu atual, pronto para usar, na quinta feira. O serviço e o atendimento superaram profundamente minhas expectativas, e por isso resolvi publicar aqui essa história. Se você é um quebrador de iPhones como eu, corra e assine a Pitzi. O caras mandam muito bem e é uma startup que vale a pena ficar de olho!

Nota do editor: Este artigo reflete o ponto de vista pessoal do autor.