Conheça o Sem Sujeira. CrowdSourcing por Campanhas Eleitorais mais Limpas.

Em tempo de eleições sempre nos deparamos com as ruas mais poluídas, muito material gráfico desnecessário e um visual terrível em nossas cidades. Pensando nisso, Paulo Moura iniciou um projeto que nós apoiamos e admiramos bastante, tanto pela iniciativa, tanto quanto pelo potencial de acordar a cidadania do brasileiro, utilizando crowdsourcing.
Sem Sujeira é um projeto que visa denunciar a colocação de cartazes e propagandas irregulares nas cidades brasileiras. Esse problema, que já é uma constante em nossas cidades, piora sensivelmente no período eleitoral.

Como funciona?

O site http://semsujeira.com recebe as imagens das propagandas irregulares juntamente com a localização aproximada do lugar no Google Maps. Cada novo post também é divulgado na página do Twitter do projeto: o @semsujeira.
Como participar?
A contribuição do público é essencial nesse projeto, pois através dela é criada uma maior cobertura das irregularidades ocorridas nas cidades brasileiras. Para participar, basta mandar uma mensagem para cidadesemsujeira@gmail.com com as fotos (ou links) dos cartazes e o endereço completo ou aproximado. Essa informação também pode ser mandada via DM pro usuário semsujeira. O endereço é necessário para criar a entrada no mapa do projeto e para facilitar posterior remoção.

Como saber se uma propaganda é realmente irregular?

No caso de propaganda política, estes são os critérios de classificação de uma propaganda irregular, de acordo com o site “Campanha Sem Sujeira

  • Faixas, placas, cartazes, pinturas ou inscrições
    • PODE: Apenas em bens particulares, independentemente de autorização da Justiça Eleitoral, observado o limite máximo de 4 m² e desde que não contrariem outras disposições da legislação eleitoral.
    • NÃO PODE: Em troca de oferecimento pelo candidato ao eleitor de dinheiro ou qualquer tipo de pagamento pelo espaço utilizado. A propaganda deve ser feita espontânea e gratuitamente.
  • Outdoor
    • NÃO PODE: Independentemente do local, sujeitando-se a empresa responsável, os partidos, as coligações e os candidatos às penalidades cabíveis (retirada imediata e pagamento de multa).

O projeto é uma iniciativa louvável e parabenizamos o idealizador pelo engajamento e por propor um modelo pró-ativo e não apenas militante.
Gostaríamos muito de conhecer mais projetos similares que mobilizem a cidadania do brasileiro. E você, já fez sua ação cidadã hoje?

0 responses to “Conheça o Sem Sujeira. CrowdSourcing por Campanhas Eleitorais mais Limpas.

  1. Se uma propaganda é colocada num lugar que não seja uma propriedade particular (ex: universidades, escolas, pontos de ônibus), também é considerada como irregular? Alguem sabe de algum “manual” que especifique quais são regulares e quais que não ou são somente estas regras citadas no post?

  2. Se uma propaganda é colocada num lugar que não seja uma propriedade particular (ex: universidades, escolas, pontos de ônibus), também é considerada como irregular? Alguem sabe de algum “manual” que especifique quais são regulares e quais que não ou são somente estas regras citadas no post?

  3. Olá, Herbert!

    Um bom guia para saber classificar se a propaganda é irregular ou não está abaixo:

    http://www.campanhasemsujeira.tre-mg.jus.br/regras-do-jogo.html

    Por lá, conclui-se que são propagandas irregulares todos os casos citados por você. Pontos de ônibus são equipamentos urbanos e universidades e escolas são considerados bens de uso comum, mesmo sendo particulares.

    “NÃO PODE
    Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do poder público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, nas árvores e nos jardins localizados em áreas públicas, bem como em muros, cercas e tapumes divisórios, mesmo que não lhes cause dano. Esta vedação também vale para qualquer outro tipo de propaganda.

    ATENÇÃO: Bens de uso comum, para fins eleitorais, são aqueles a que a população em geral tem acesso, tais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estádios, ainda que de propriedade privada.”

  4. Olá, Herbert!

    Um bom guia para saber classificar se a propaganda é irregular ou não está abaixo:

    http://www.campanhasemsujeira.tre-mg.jus.br/regras-do-jogo.html

    Por lá, conclui-se que são propagandas irregulares todos os casos citados por você. Pontos de ônibus são equipamentos urbanos e universidades e escolas são considerados bens de uso comum, mesmo sendo particulares.

    “NÃO PODE
    Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do poder público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, nas árvores e nos jardins localizados em áreas públicas, bem como em muros, cercas e tapumes divisórios, mesmo que não lhes cause dano. Esta vedação também vale para qualquer outro tipo de propaganda.

    ATENÇÃO: Bens de uso comum, para fins eleitorais, são aqueles a que a população em geral tem acesso, tais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estádios, ainda que de propriedade privada.”

Deixe uma resposta para Paulo Ferreira de Moura Jr. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *