Otimizando a Experiência dos Consumidores Online

Autor Convidado: Daniel Waisberg mora em Israel, onde é consultor na área de Web Analytics & Otimização, o fundador do site Online Behavior: Marketing Measurement & Optimization e membro do Advisory Council do eMetrics Summit.

Enquanto a Web se desenvolve e os consumidores tomam a rédea, marqueteiros / analistas / executivos têm a obrigação de encontrar soluções criativas para engajar os consumidores em seus sites e marcas. Hoje vivemos na era dos “prosumidores”, isto é, pessoas que já não estão mais dispostas a simplesmente consumir, mas sim em ser parte pro-ativa do processo de criação e desenvolvimento de produtos. E é quase uma obrigação moral, e sem dúvida alguma comercial, prover uma plataforma amigável e otimizada através do seu site para engajar clientes potenciais.

Porem, como se pode construir tal plataforma? Como saber o que o consumidor está procurando (e se está achando ou não) no meu site? O que leva os visitantes do meu site a comprar? O que os leva a abandonar o processo de compra sem finalizá-lo? Onde estão meus pontos fracos? Quem está me enviando clientes potenciais valiosos? Quem não está me enviando e está enviando tráfego para meus competidores? O que meu competidor está fazendo que eu deveria fazer?

Por um lado tentamos trazer o máximo número de pessoas e entender seu comportamento dentro do site, aperfeiçoá-lo no que diz respeito ao uso pelo visitante; e tentamos maximizar os lucros do site. Por outro lado tentamos aumentar nossa exposição em outros veículos de comunicação que permitem a criação de uma marca mais forte (paginas em redes sociais como Orkut e Facebook, Twitter, vídeos no YouTube…). E tudo isso levando em conta as atividades dos competidores e também sua influência no mercado.

Estes desafios geram uma grande questão: como se pode coletar toda esta informação, integrá-la, e tomar decisões práticas baseadas nos números?

Esta e muitas outras perguntas e desafios são rotina diária de qualquer profissional que lida com métricas digitais. E, pelo fato de existirem tantas perguntas (e dados), é essencial saber distinguir o trigo do joio, saber perguntar as perguntas mais importantes para melhorar a performance e os lucros do site (e, talvez, receber um bônus maior!)

Hoje as respostas estão mais próximas do que nunca. Podemos analisar o comportamento dos visitantes usando Google Analytics, uma ferramenta grátis que coleta e apresenta informação sobre o comportamento dos visitantes. Podemos experimentar diferentes versões do mesmo site e cientificamente provar que designs específicos são mais lucrativos usando Google Website Optimizer, uma ferramenta grátis que fornece uma plataforma para experimentação. Podemos customizar o site e servir uma experiência única para cada consumidor usando BTBuckets, uma ferramenta Brasileira gratuita desenvolvida pela Predicta, que possibilita servir a mensagem certa para a pessoa certa na hora certa.

Chegamos a um ponto onde as tecnologias avançaram de forma impressionante, mas ferramentas são só ferramentas, elas não pensam. E por isso, as prioridades de qualquer administrador de site devem ser a educação e a pesquisa, pois só através do desenvolvimento dos analistas e marqueteiros poderemos entender este mundo digital. Um mundo onde nos comunicamos, divertimos, aprendemos e pesquisamos através do computador. Um mundo onde a forma de pensar e a forma de interagir com amigos e empresas é complexa e personalizada.

As empresas que souberem construir sites amigáveis e fáceis de usar têm e terão uma vantagem competitiva enorme sobre concorrentes que não souberem aproveitar esta oportunidade.

0 responses to “Otimizando a Experiência dos Consumidores Online

  1. Acho que o maior desafio é justamente saber interpretar e tornar acionáveis os dados coletados. Na maior parte das vezes essa tarefa não é core do negócio e por isso acaba sendo deixada para segundo plano pelas empresas, que preferem desenvolver um novo feature do site, ou investir em publicidade. Claro que Isso é uma oportunidade para consultorias web (Direct Performance, a própria Predicta) e empresas que apresentem soluções de processamento inteligente de dados para targeting, (sim, as ferramentas podem pensar 🙂

  2. Acho que o maior desafio é justamente saber interpretar e tornar acionáveis os dados coletados. Na maior parte das vezes essa tarefa não é core do negócio e por isso acaba sendo deixada para segundo plano pelas empresas, que preferem desenvolver um novo feature do site, ou investir em publicidade. Claro que Isso é uma oportunidade para consultorias web (Direct Performance, a própria Predicta) e empresas que apresentem soluções de processamento inteligente de dados para targeting, (sim, as ferramentas podem pensar 🙂

Deixe uma resposta para Pedro Cruz Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *