Quais as Linguagens de Programação que Possuem Mais Projetos e a Maior Comunidade?

Drew Conway e John Myles White do site Dataists decidiram tentar rankear liguagens de programação usando apenas 2 critérios: o tamanho da comunidade e o número de projetos. No post de Drew sobre os resultados, ele admite que não existe uma maneira perfeita para encontrar dados sobre ambas as medidas, mas explica um pouco mais sobre como os dados foram captados. Ele e John resolveram usar o número de perguntas no StackOverflow como uma medida de mensurar a comunidade e o número dos projetos no Github para mensurar o número de projetos.

Notavelmente, as classificações das duas medidas foram altamente correlacionadas. Houveram algumas questões estranhas – a Delphi teve mais perguntas do que projetos, e a Viml teve mais projetos do que perguntas. E um leitor observou que o JavaScript provavelmente teve incoerências porque muitos projetos no Github usam o JavaScript mas não são exatamente projetos do JavaScript. Apesar disso, os dados merecem atenção. Drew especula que as perguntas do StackOverflow podem realmente indicar a complexidade de uma linguagem, e não sua comunidade.

Além de serem correlacionados, os resultados foram divididos em 5 eixos, sendo que o um possui maior comunidade e mais projetos e cinco possui menor comunidade e menos projetos:

  • Nível Um: C#, Java, PHP, C++, Objective C, JavaScript, Python, C, Ruby, Perl e a Shell
  • Nível Dois: Scala, Actionscript e Haskell
  • Nível Três: R, Assembly, Visual Basic, Coldfusion, F##, Groovy, ASP, Clojure, Erlang, Lua, Scheme, Common Lisp, Emacs Lisp
  • Nível Quatro: D, Fortran, OCaml, Tcl, Go, Smalltalk, Viml
  • Nível Cinco: IO, Racket, VHDL, Verilog, Haxe, Objective-J, Boo, Vala, Coffeescript, Supercollider, Ada, Self, Arc, Eiffel, Factor, Nu, Sclang, PureData, Duby, ooc

E você, o que achou? faltou alguma das suas lingaguens favoritas no estudo?

0 responses to “Quais as Linguagens de Programação que Possuem Mais Projetos e a Maior Comunidade?

Deixe uma resposta para Fábio Badaró Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *