RWW Entrevista: Olivier Grinda, CMO do Brandsclub

O BrandsClub é um clube de compras privado que recebeu recentemente da Naspers um investimento de 17 milhões de dólares. O site foi fundado em 2009 por Paulo Humberg (também fundador do Shoptime e Lokau), Olivier Grinda, Roberto Jalonetsky e Vasco Visconti. O serviço é um canal de distribuição online de produtos de grifes nacionais e internacionais e atualmente é o maior nesse segmento.

Conversamos com Olivier Grinda, CMO do Brandsclub e você confere abaixo a entrevista exclusiva para o ReadWriteWeb Brasil.

RWW: Com menos de dois anos e mais de um milhão de usuários, pode-se dizer que o Brandsclub é um dos maiores cases da internet brasileira recente. Como esse fenômeno começou?

O Brandsclub é o maior outlet virtual do Brasil. Está em funcionamento desde março de 2009. O modelo de negócios foi inspirado no francês Vente Privee. A indústria de outlets não existia no país e vem se mostrando bem-sucedida, pois é um braço para marcas escoarem seus estoques. É um negócio que reúne o que o público brasileiro mais gosta: marcas e descontos. Outra característica do brasileiro presente no negócio é a presença em redes sociais. Os clientes avisam os amigos que roupas de determinadas marcas foram colocadas à venda, comentam se ficaram satisfeitos com os produtos comprados e anunciam os novos eventos usando o Facebbok e o Twitter, etc. Por todos esses motivos só crescemos desde o momento em que iniciamos a operação. Faturamos nos primeiros nove meses de operação R$ 25 milhões. Para 2011, nossa meta é agressiva e pretendemos alcançar R$ 200 milhões.

RWW: Quem foram os primeiros investidores da empresa?

O modelo foi trazido para o Brasil por dois dos maiores investidores de Internet no mundo, que são os alemães Oliver Jung e Klaus Hommels. Eles têm em seus perfis investir em negócios a longo prazo e o Brasil passa credibilidade para isso. O país apresenta forte economia e prova disso foi não ser atingido pela crise européia. Os investidores estrangeiros se juntaram aos sócios locais e a Paulo Humberg, pioneiro na Internet no Brasil e já conhecido por Oliver e Klaus. Paulo tem o perfil empreendedor. Criou no Brasil o modelo de compras pela TV (Shoptime), foi responsável pelo primeiro site de leilão no país, o Lokau.com, participou de outros negócios de sucesso como o portal iBest e agora investe e administra o Brandsclub.

RWW: E a aproximação da Naspers, como ocorreu?

Como o Paulo Humberg já é conhecido no mercado de internet e fez bons relacionamentos ao logo da sua carreira o contato com a Naspers foi inevitável. A Naspers recentemente comprou o site brasileiro Buscapé e é conhecida hoje como um dos maiores fundos de investimentos para o comércio na internet. Receber um aporte de capital da Naspers mostra para o mercado mundial que também estamos prontos para crescer, o investimento só tem a agregar ao Brandsclub.

RWW: Os alemães Olivier Jung e Klaus Hommels aparentemente estão super antenados com o mercado local, sendo investidores tanto do Brandsclub quanto do ClickOn. Pode nos contar um pouco desse interesse deles pelo Brasil? Como eles descobriram o Brandsclub?

Não podemos falar pelo ClickOn mas pelo Brandsclub temos conhecimento de que Oliver Jung e Klaus Hommels gostam do mercado brasileiro e confiam nos negócios administrados e que trazem o nome de Paulo Humberg graças ao histórico e conhecimento que o empreendedor conquistou com seu trabalho no mercado de internet. Klaus enxerga o Brasil como um mercado promissor e sempre diz que “adora feijoada e caipirinha”.

RWW: Uma estratégia que tem se provado certeira para startups web aqui é crescer no Brasil para em seguida dominar a América Latina. Como o investimento vai ajudar nesta expansão?

O aporte de capital de US$ 17 milhões será utilizado para melhorar os serviços oferecidos ao consumidor. Ampliar a logística de atendimento e aumentar o número de marcas oferecidas no site, hoje com mais de 600, estão entre as prioridades. Queremos fazer o melhor para os clientes do Brandsclub serem atendidos cada vez mais com agilidade e rapidez. A meta é fechar 2010 com três milhões de usuários cadastrados.

RWW: Aquisições estão sendo levadas em consideração?

Não estamos fechados para realizar aquisições, mas por enquanto estamos focados em fazer o Brandsclub se consolidar como maior outlet virtual no Brasil e no México.

RWW: A Naspers tem demonstrado grande interesse na América Latina. Depois dos cases Grupo Abril, Buscapé e Brandsclub, já se pode afirmar que a América Latina é o próximo grande mercado para startups web fora dos EUA?

Não podemos falar pelo Naspers, mas pensamos que a América Latina é um dos mercados mais interessantes do mundo porque tem profissionais de qualidade que estão buscando oportunidades de trabalho. O mercado está aquecido e os investidores estão procurando no país.

RWW: Qual o segredo para massificar uma marca em um mercado onde a exclusividade é um dos principais fatores de diferenciação?

Nós prezamos pelo bom atendimento aos clientes e a qualidade dos produtos oferecidos. Com isso o boca a boca entre os membros do outlet virtual é uma das melhores formas de ampliarmos o negócio e mantermos a exclusividade entre os consumidores do Brandsclub.

RWW: Obrigado Oliver e boa sorte!

0 responses to “RWW Entrevista: Olivier Grinda, CMO do Brandsclub

  1. Acho que o modelo do brandsclub e o consumidor brasileiro são o que se pode chamar de “a match made in heaven”. Apresentei pra mulherada da minha família e todas agora entram diariamente pra conferir as ofertas. Minha esposa, que como quase toda mulher gosta de entrar nas lojas e ver/experimentar as roupas e nunca tinha cogitado comprar isso pela internet, aceitou comprar um casaco no BC. Pra mim isso foi um pequeno milagre hehehe 🙂

    A única coisa que nos incomodou muito foi o prazo de entrega muito longo – no caso deste produto que ela comprou, 20 dias úteis. Num mercado dinâmico como o atual, um prazo assim é inexplicável e acho que a empresa deveria ter como meta principal melhorar essa logística.

    No mais, desejo boa sorte e sucesso. De fato já é um importante case da internet brasileira.

  2. Acho que o modelo do brandsclub e o consumidor brasileiro são o que se pode chamar de “a match made in heaven”. Apresentei pra mulherada da minha família e todas agora entram diariamente pra conferir as ofertas. Minha esposa, que como quase toda mulher gosta de entrar nas lojas e ver/experimentar as roupas e nunca tinha cogitado comprar isso pela internet, aceitou comprar um casaco no BC. Pra mim isso foi um pequeno milagre hehehe 🙂

    A única coisa que nos incomodou muito foi o prazo de entrega muito longo – no caso deste produto que ela comprou, 20 dias úteis. Num mercado dinâmico como o atual, um prazo assim é inexplicável e acho que a empresa deveria ter como meta principal melhorar essa logística.

    No mais, desejo boa sorte e sucesso. De fato já é um importante case da internet brasileira.

  3. Estou muito insatisfeita com o Brandsclub, fiz uma compra com prazo de entrega de 20 dias úteis, o prazo venceu no dia 23 de junho (conforme consta do próprio site), eu não recebi minha compra. Por e-mail fui informada que minha compra seria entregue no dia 28 de julho, também não recebi meu pedido. Desde esta data que tenho enviado e-mails diários solicitando informações e não recebo nenhuma resposta. Estou tentando entrar no chat e fui informada que sou a 23a. na lista de espera para falar com um atendente. O atendimento deixa a desejar, não tem telefone de contato e não recebo retorno. Esta sendo uma experência bem desagradável, nunca tive este tipo de problema na Coquelux e na Privalia.

  4. Estou muito insatisfeita com o Brandsclub, fiz uma compra com prazo de entrega de 20 dias úteis, o prazo venceu no dia 23 de junho (conforme consta do próprio site), eu não recebi minha compra. Por e-mail fui informada que minha compra seria entregue no dia 28 de julho, também não recebi meu pedido. Desde esta data que tenho enviado e-mails diários solicitando informações e não recebo nenhuma resposta. Estou tentando entrar no chat e fui informada que sou a 23a. na lista de espera para falar com um atendente. O atendimento deixa a desejar, não tem telefone de contato e não recebo retorno. Esta sendo uma experência bem desagradável, nunca tive este tipo de problema na Coquelux e na Privalia.

  5. Ahhh não é só aqui que lendo a entrevista ou matéria até parece que o BrandsClub é bom, parece que presta, parece que vai ter futuro… Só parece! Pra quem der uma pesquisadinha pela internet já vai descobrir o grande abacaxi(pra não dizer coisas feias, mas a vontade é)que é comprar por lá. Seja no Brands Club ou no BC Blue. Fui uma dessas pessoas, já me expressei em diversos veículos, tanto sites, revistas e redes sociais e vou cotinuar! Efetuei 5 pedidos, todos, repito TODOS foram cancelados! Sempre mais de 40 dias após a confirmação de pagamento, depois de já ter pago a fatura de já ter esperado e esperado pelos produtos… Eles não chegam! Não são entregues! Dão bonus, e mais bonus(Ao invez de estornar os valores no cartão) e vai virando uma bola de neve. Mas o fato é: Você brinca de comprar, pagar e esperar… E não receber! Péssimo! Sinceramente, tanto a revista PEGN quanto a Época Negócios deveriam escolher melhor os entrevistados, capas, empresas mencionadas… Pesadelo!

  6. Ahhh não é só aqui que lendo a entrevista ou matéria até parece que o BrandsClub é bom, parece que presta, parece que vai ter futuro… Só parece! Pra quem der uma pesquisadinha pela internet já vai descobrir o grande abacaxi(pra não dizer coisas feias, mas a vontade é)que é comprar por lá. Seja no Brands Club ou no BC Blue. Fui uma dessas pessoas, já me expressei em diversos veículos, tanto sites, revistas e redes sociais e vou cotinuar! Efetuei 5 pedidos, todos, repito TODOS foram cancelados! Sempre mais de 40 dias após a confirmação de pagamento, depois de já ter pago a fatura de já ter esperado e esperado pelos produtos… Eles não chegam! Não são entregues! Dão bonus, e mais bonus(Ao invez de estornar os valores no cartão) e vai virando uma bola de neve. Mas o fato é: Você brinca de comprar, pagar e esperar… E não receber! Péssimo! Sinceramente, tanto a revista PEGN quanto a Época Negócios deveriam escolher melhor os entrevistados, capas, empresas mencionadas… Pesadelo!

  7. Gostaria que vocês que efetuaram esta entrevista tam promissora, com um dos idealizadores desta empresa considerada a coqueluxe das compras, para ele se justificar das mais de 3.500 reclamações que estam postadas no site do reclame aqui….Se bem que eu dúvido que isso seja feito ou que eleexplique aos consumidores insatisfeitos o inexplicável.
    O mínimo é vocês colocarem no site nova matéria informando aos consumidores a dor de cabeça que é comprar neste site, que sequer tem numero de telefone para se entrar em contato, e que as respostas dos e-mails enviados demoram vários dias e só são respostas automaticas.
    Pura enganação!!!! é só dar uma olhada no site abaixo e confirmar o que estou escrevendo

    http://www.reclameaqui.com.br/indices/lista_reclamacoes/?id=12818&tp=9403f4c8cd5af61c485541e9444950c069c79ffa&subtp=c92a9bc341d739044ff5400661d44a60a808be22

  8. Fiz um blog com dicas de como resolver o problema: http://informacaosuamelhordefesa.zip.net/. Já vou adiantando que o melhor caminho é solicitar o cancelamento da compra na administradora do cartão, por desacordo comercial. O PROCON também faz atendimento eletrônico (www.procon.sp.gob.br) e envie uma denúncia ao Ministério Público Estadual (consumidor@mp.sp.gov.br).

Deixe uma resposta para Diego Sana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *