Tudo sobre a aliança da Nokia com Microsoft e a morte do Symbian

O inferno vai congelar! A Nokia está oficialmente largando o Symbian e adotando o Windows Phone 7 como sua plataforma principal para smartphones. Entenda o que está acontecendo, e porquê isso é importante:

Era Uma Vez…

O Symbian é um sistema operacional para celulares, criado por um consórcio entre Nokia, Eriscsson, Motorola e Psion. Começou em 1998, quando a idéia de smartphone ainda era apenas um rascunho distante do que é hoje. Existiam poucos modelos, uma união estranha dos PDA’s com os celulares da época. Gigantescos, pesados e desconfortáveis em  geral. Mas eram o futuro. Em perspectiva: Quando você usou um notebook pela primeira vez? Quando comprou seu primeiro celular? Em 2003, 2004 talvez? Em 2001, 6 anos antes do lançamento do primeiro iPhone, o Nokia 9210, um dos primeiros smartphones,  trazia SMS, telefone, internet WAP e fax(!!). Era extraordinário e movido a Symbian. Não foi a toa que o Symbian foi o líder absoluto no mercado, desde o lançamento até este ano, quando foi ultrapassado pelo Android.

A Nokia conquistou o mercado emergente com aparelhos duráveis e muito baratos, como 11003310. Na outra ponta do mercado, a linha N-Series reinava com aparelhos como o N90, que parecia uma filmadora. Outros fabricantes também adotaram o Symbian em seus próprios smartphones, mas foi na Nokia que ele teve sua maior parceria. Tanto que em 2008 a Nokia adquiriu a Symbian Ltda, passando a ser a grande responsável pelo desenvolvimento do sistema e investindo todo esforço e recursos para sua utilização e aprimoramento.

 

O iPhone surge em 2007, mudando completamente o mercado. Ainda em 2007 o Android foi anunciado, estreando em 2008. Outros players como a RIM e Palm também tentavam suas próprias plataformas. Em uma situação onde seus concorrentes inovam em ritmo acelerado para competir, a Nokia ficou para trás.  A experiência do Symbian ainda hoje parece morna e sem graça perto das interfaces mais sofisticadas e amigáveis de outros telefones. A Nokia possui um time de design e engenharia genial, mas o descompasso entre o desenvolvimento de hardware e software faz com que seus produtos demorem a ser lançados e entrem no mercado já defasados. Some a isso a concorrência crescente de Shanzai, que têm um time-to-market muito mais curto e consegue cuspir aparelhos de custo baixo num ritmo impossível de ser acompanhado. Mesmo assim a Nokia bateu o pé e continuou investindo no Symbian e em sua maneira de fazer telefones. A recusa em mudar a direção do navio fez que ela perdesse praticamente todas as suas lideranças de mercado.

Enfim Aliadas

Entra na história o novo CEO da Nokia, Stephen Elop. Primeiro não-finlandês a ficar à frente da gigante de Espoo, Elop fez o que ninguém tinha tido coragem. “Estamos em uma plataforma em chamas” disse. Decidiu reestruturar radicalmente a estratégia da empresa. Firmou uma parceria com a Microsoft – anunciada hoje – para tornar o Windows Phone 7 sua plataforma principal de smartphones. Vão deixar de lado o Symbian e reconsiderar o papel do Meego  para “outros dispositivos”. É simplesmente impossível criar um ecossistema para ele em um intervalo decente de tempo. A mudança será gradual, ainda sem data para o lançamento do primeiro Nokia com WP7, mas culminará no abandono do Symbian de uma vez por todas. Os aplicativos da Ovi Store migrarão para o Marketplace do Windows e o sistema será descontinuado em algum momento dos próximos anos.

A Nokia é um parceiro peso-pesado para o Windows Phone 7. Tanto que é a única empresa que têm a benção da Microsoft para fazer modificações no sistema para seus aparelhos. Nem mesmo a HTC, companheira de longa data, pôde usar sua aclamada interface Sense nos seus aparelhos. Não sabemos como a Nokia usará essa influência, mas ela poderá impactar profundamente o futuro do WP7 e  possui o aval de Steve Balmer para isso.

Já o que o Windows significará no futuro da Nokia ainda é incerto. Vai depender da adoção do próprio Windows pelo mercado e de quanta força a Nokia pode exercer para ajudar neste processo. Se por um lado tanto a Nokia quanto a Microsoft sofrem pela falta de agilidade em desenvolver seus produtos mobile, (“Dois perus não fazem uma águia”, alfinetou Vic Gundotra, do Google) por outro teremos agora a força combinada de dois dos maiores centros de pesquisa e desenvolvimento de celulares do mundo trabalhando juntos.

A Nokia precisa se reencontrar e voltar a desenvolver aparelhos notáveis e o WP7 precisa de maior tração para ganhar mercado. Os dois podem se ajudar ou falhar juntos. É cedo demais para dizer. Mas é bom ver que a Nokia depois de tanto tempo parada fez algo para voltar ao jogo.

0 responses to “Tudo sobre a aliança da Nokia com Microsoft e a morte do Symbian

  1. Agora sim será um bom momento para desenvolvedores dotnet no que diz respeito a mobile: com o mono sendo suportado pelo iPhone, Android e a plataforma estar presente no WP7, são poucos smartphones no mercado que não poderão rodar uma app .net.

  2. Interessante,e interessante tambem pensar que o google seja aberto em SO windows… Interessante tbm que os telefones da nokia sao muito mais duraveis do que os telefones de papel da Sony Ericsson e os tijolos que hoje chamam de Iphone… Na boa Celular e para telefonar e nao competir qual o melhor entre todos,quero apenas um que me agrade e quero um computador que atenda as minhas necessidades. Daqui a pouco nao existira nem PC nem celular vai é existir um chip que voce poe no cerébro e ele ja faz a chamada pra voce so de voce pensar e uma vantagem quando te assaltarem vao arrancar a sua cabeça ao invez de levarem seu celular. Hoje a tecnologia esta caminhando assim,daqui a uns 8 ou 10 anos vai inventar isso.

Deixe uma resposta para Eduardo Bilman Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *